Netinho é alvo de blitz por suspeita de fraude

Sem mandado, polícia vai à casa do candidato, que teria sido omitida em declaração de bens

Adriana Carranca,

30 de setembro de 2010 | 04h11

A Polícia Civil de São Paulo fez uma varredura na casa do candidato ao Senado Netinho de Paula (PC do B), na manhã de terça-feira, para apurar denúncias de fraude nos bens declarados por ele à Justiça.

Netinho se tornou alvo de investigação criminal aberta na Promotoria Eleitoral de Barueri, na Grande São Paulo, após denúncia de que ele não teria declarado a casa onde mora com os filhos no condomínio Alphaville 8.

 

Dois investigadores e um perito criminal vasculharam e fotografaram a parte externa, a piscina, o campo de futebol e o salão de festas, mas foram impedidos de entrar por um dos filhos de Netinho.O candidato não estava em casa. Segundo o advogado de Netinho,Alexandre Rollo, os policiais não tinham mandado de busca.O procedimento criminal para"apuração ‘em tese’ da infração do artigo 350 do Código Eleitoral(omissão de bens)" foi aberto pela promotora eleitoral da 386.ª zona, Bárbara Valéria Cury e Cury.

 

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o motivo da visita foi fotografar a casa, objeto da denúncia, um procedimento rotineiro. Mas a coordenação da campanha promete entrar com representação na corregedoria da Polícia Civil contra o delegado Francisco José Alves Cardoso, do 2.º DP de Barueri.

 

"A ação da polícia é inaceitável.Para averiguar fraude, a primeira providência é sempre chamar o acusado para prestar esclarecimentos, o que não ocorreu. Houve, claramente, desvio de conduta, invasão de domicílio, constrangimento e abuso de autoridade por parte dos policiais", defende a presidente estadual do partido, Nádia Campeão, que insinuou haver motivação eleitoral por trás das denúncias. Ontem, os vereadores da bancada, liderada pelo PT, protestaram contra a ação da polícia e o posicionamento da Justiça.

 

A denúncia foi feita à Procuradoria Eleitoral com base em reportagem da revista Época, segundo a qual Netinho tentou passar o imóvel para o nome de quatro de seus sete filhos,como objetivo de se livrar de uma dívida trabalhista dele com ex-músicos do Negritude Jr.

 

 

A Justiça suspendeu a doação e a casa chegou a ser leiloada em 2009,mas os advogados de Netinho cancelaram a venda. O processo continua a correr no Tribunal Regional do Trabalho. Segundo Nádia, a casa não foi declarada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), porque "ainda é alvo de processo na Justiça"."A Justiça ainda não decidiu se o imóvel é dele ou dos filhos", disse

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.