"Nestes seis meses, já fizemos muito mais do que qualquer governo"

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou, em discurso na abertura do encontro de deputados estaduais e vereadores do PT, que seu governo realizará em julho um encontro para apresentar os seis primeiros meses de governo. "Nestes seis meses já fizemos muito mais do que qualquer governo fez nesse período. Não tenho dúvida disso", afirmou o presidente, que repetiu referências e metáforas de discursos anteriores. Não é fácil moralizar a máquina, combater a corrupção, olhar deficiências e tentar fazer uma coisa melhor", disse. "Como nós sabemos que o nosso projeto tem muito tempo pela frente tivemos de montar uma coisa sólida", disse. O presidente reafirmou que em julho haverá um "espetáculo do crescimento", porque acredita que o que foi plantado até agora pelo governo começará a dar frutos. Lula disse também que está orgulhoso de sua equipe de ministros "inclusive os que não são do PT"; Ao citar os nomes de Ciro Gomes, Walfrido Mares Guia, Roberto Rodrigues e Gilberto Gil, o presidente esqueceu de Miro Teixeira, do PDT, no Ministério das Comunicações. Mas em seguida acrecentou o nome do ministro, ao ser lembrado por um dos presentes. (Cida Fontes) "Não queremos privatizar a Previdência" O presidente salientou também que "as reformas são necessárias e ninguém há por que ter vergonha de fazê-las". Lula frisou que o governo não quer tirar direito de ninguém, mas sim aumentar o direto de quem não tem direito neste País. "Não estamos diminuindo o salário de ninguém", afirmou ele ele ao justificar a proposta do governo de taxação dos inativos. Segundo ele, se um funcionário público contribui para a Previdência com 11%, quando se aposenta e deixa de contribuir passa a ter então um aumento salarial. "Não estamos fazendo nenhum mal, não queremos privatizar a Previdência", ressaltou. Ele repetiu, ao defender a reforma, que o governo não quer penalizar setores do funcionalismo como professores. Segundo ele, ao fixar em 60 anos a idade mínima para a aposentadoria, a intenção do governo é valorizar o profissional. Para ele, aos 60 anos um professor estará no auge da sua capacidade intelectual e estará dando aulas. "Da mesma forma, não queremos penalizar um juiz ou qualquer pessoa." Recomendação aos petistasLuiz Inácio Lula da Silva recomendou ainda aos petistas que deixem de ser "corporativos" ."Sei que muita gente é ligada às coorporações", disse ele para uma platéia de quase 2 mil petistas. Segundo o presidente, há oito anos vem repetindo aos sindicalistas do PT que deixem "de ser corporativos, pensem mais no País e estejam mais abertos". Em seu discurso, Lula destacou que em dezembro o País não tinha recursos externos para financiar suas exportações. "Em seis meses, conseguimos a credibilidade que nenhum governo teve", afirmou ao ressaltar a integração com os países da América Latina. "Integração é estrada, ponte, ferrovia, aeroportos", disse.?É preciso coragem?Lula fez ainda uma crítica indireta à oposição e ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Muita gente que escreve hoje contra a política econômica não teve coragem de escrever em dezembro. Sabe por que? Porque em dezembro as perspectivas inflacionárias eram de 40% e não de 7,5% que nós colocamos agora, ou da previsão de 5,5%". Para justificar o controle da inflação, Lula afirmou: "Para isso é preciso coragem, muita coragem, porque o mais fácil seria blefar para a sociedade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.