Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

'Nem Jesus Cristo agradou todo mundo', diz Kátia Abreu sobre críticas

Indicação de senadora para Agricultura foi alvo de ataques por parte de entidades

LAÍS ALEGRETTI E FABIO BRANDT, O Estado de S. Paulo

01 de janeiro de 2015 | 15h45

Brasília - A nova ministra da Agricultura, senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), afirmou que "nem Jesus Cristo agradou todo mundo" e disse que não ficou ofendida com as críticas de integrantes do PT à indicação dela para a pasta. "Nós vivemos numa democracia, nem Jesus Cristo agradou todo mundo. E eu também não pretendo. A unanimidade é burra. Estou acostumada com democracia e as críticas, e sou tolerante a todas elas", afirmou na chegada ao Congresso Nacional para a posse da presidente Dilma Rousseff.

Katia Abreu disse que sua atuação no comando da pasta será marcada pelo diálogo, afirmou que ouvirá todos os setores e permitirá a participação da iniciativa privada. "Eu sempre digo que se o ministério não atrapalhar, o agronegócio vai bem, obrigada. Tenho que me esforçar para que o ministério não atrapalhe. Temos que facilitar a vida do produtor e não criar dificuldade".

A nova ministra afirmou, ainda, que dará "atenção total" aos produtores rurais, para que saiam da subsistência e possam ir ao mercado. "Se temos hoje 5 milhões de produtores rurais, apenas 750 mil estão na classe media rural brasileira. O foco do ministério é aumentar a grande classe media rural, buscando produtores das classes D e E", disse.

Decisão pessoal. A senadora Ana Rita (PT-ES) afirmou na manhã desta quinta-feira, ao chegar ao Congresso para a solenidade de posse de Dilma Rousseff, que a escolha de Kátia Abreu para chefiar o Ministério da Agricultura foi uma decisão pessoal da presidente reeleita, não do PT.

Militante dos direitos humanos, Ana Rita foi questionada sobre críticas de setores do PT à escolha de Kátia Abreu para o ministério. Alegam que Abreu, presidente da maior entidade ruralista do País, é defensora dos grandes produtores rurais e contrária a bandeiras históricas do partido, como a reforma agrária. "Não questiono a indicação pessoal da presidenta Dilma. Acredito que a indicação da Kátia Abreu é da cota pessoal dela", afirmou a senadora petista.

Tudo o que sabemos sobre:
posse 2015Dilma RousseffKátia Abreu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.