André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão
Imagem João Domingos
Colunista
João Domingos
Conteúdo Exclusivo para Assinante

‘Nem contra nem a favor do governo’

Entrevista com Eduardo Cunha, candidato do PMDB à presidência da Câmara

JOÃO DOMINGOS, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2015 | 18h10

Até agora apontado como favorito na disputa pela presidência da Câmara, o líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), passa por sua primeira turbulência na campanha: foi citado na Operação Lava Jato como beneficiário de propina no esquema de corrupção da Petrobrás. Ele nega a acusação. Candidato contra a vontade da presidente Dilma Rousseff, ele tenta até a eleição manter o favoritismo. Diz que não é contrário nem a favor do governo e, sim, favorável a uma Câmara independente.

A candidatura do senhor é contrária ao Palácio do Planalto? 

Não é nem contrária ao Planalto nem a favor. É uma candidatura de independência da Casa. Estou dizendo, explicitamente, que se alguém acha que vou fazer uma presidência de oposição, vai se decepcionar. E se alguém acha que haverá na presidência um submisso ao governo, também vai se decepcionar.

O sr. é a favor de uma nova CPI da Petrobrás? 

Sou a favor da abertura da CPI para continuar a investigar a Petrobrás. 

E se houver um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff? 

Sou contra. Não se justifica.

O senhor não teme que a citação de seu nome na Operação Lava Jato o atrapalhe?

Provem. Isso é manobra. Por isso, defendo nova CPI da Petrobrás. É a única forma de mostrar que não tememos nada. Quem não deve, não teme.

Como será a condução dos processos de cassação de deputados da Lava Jato? 

Vou cumprir o regimento. Tem pedido da cassação? Abre-se o processo, faz-se o julgamento e acata-se o resultado do plenário. 

O senhor vai trabalhar para aprovar a emenda constitucional que cria o orçamento impositivo? 

Sem dúvida. Ela já foi aprovada no primeiro turno na Câmara. Vou, na presidência, colocar para votar o segundo turno e vou começar a discutir orçamento impositivo para as emendas de bancada.

A presidente Dilma disse que seu governo vai trabalhar pela reforma política. O senhor também? 

Claro. Meu primeiro ato vai ser discutir a reforma política que já está pronta para votar. Houve, das vezes anteriores, uma obstrução do PT, que só queria votar o financiamento público de campanha. Então, nós vamos dar admissibilidade a essa proposta e criar imediatamente a comissão especial que vai tratar dela. 

O que o senhor pensa do financiamento público de campanha defendido pelo PT? 

Sou contra. Veja bem. A minha posição pessoal sobre a reforma política é minha. Não quer dizer que é aquilo que será aprovado. Sou também a favor da coincidência das eleições e da redução no tempo de campanha para que sejam barateadas.

Como o senhor viu as críticas do candidato petista Arlindo Chinaglia ao senhor, de que fez nomeações para o governo? 

As pessoas têm de aprender a discutir em alto nível. O que ele conseguiu com isso? Talvez eu tenha me arrependido de ter votado nele um dia para presidente da Câmara e de ter ajudado ele a se eleger. Ele mostrou que não foi merecedor do meu voto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.