Nelson Barbosa nega ter sido convidado para assumir Ministério da Fazenda

Ex-secretário-executivo da pasta estaria entre os cotados para ser o sucessor de Guido Mantega

Ricardo Leopoldo , Agência Estado

13 de novembro de 2014 | 14h47

Campinas - O ex-secretário-executivo do ministério da Fazenda Nelson Barbosa afirmou nesta quinta-feira, 13, que não foi convidado para ser ministro do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. "Não fui convidado ou sondado para nenhum cargo. Continuo na área de ensino e pesquisa da EESP-FGV e do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia). Portanto, não posso falar sobre algo que não existe", disse em entrevista exclusiva ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

O nome de Nelson Barbosa estaria entre os cotados pelo Palácio do Planalto para assumir o lugar do atual ministro Guido Mantega. Nessa quarta-feira, 12, durante visita ao Catar, a presidente Dilma Rousseff evitou falar em prazos para a reforma ministerial e anunciar a nova equipe.

Ajuste fiscal. Nelson Barbosa afirmou ainda que com um ajuste fiscal gradual, ao longo de 2 a 3 anos, o Brasil poderá manter o grau de investimento. "Declarações de algumas agências de classificação já manifestaram que avaliam a nota soberana no médio e longo prazos sobre a recuperação da economia e a trajetória da dívida pública", disse. "Não é um resultado de um ano sozinho que define a manutenção ou não do grau de investimento", apontou.

Segundo ele, mesmo que não seja ocorra uma elevação substancial do superávit primário em 2015 nem um crescimento muito rápido da economia, se houver uma "estratégia crível" de retomada do crescimento e estabilização, com o compromisso de redução da dívida pública, seria "possível manter o grau de investimento", disse Barbosa. Ele fez os comentários depois de participar de evento realizado pelo IBE-FGV, em Campinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.