Negócios do cimento ao meio ambiente

Grupo virou conglomerado e hoje participa de mais de 20 empresas

Renée Pereira, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

Uma das principais características da holding Camargo Corrêa é a diversificação de suas atividades. Ao longo de 70 anos de existência, a empresa se transformou num poderoso conglomerado que hoje reúne cinco divisões de negócios: engenharia e construção; cimento; concessões; calçados, têxtil e siderurgia; e incorporação, meio ambiente e área corporativa.Nesses segmentos, a holding detém participação em mais de 20 companhias, como as cimenteiras Cauê e Loma Negra, a elétrica CPFL, a concessionária de rodovias CCR, o conglomerado financeiro Itaúsa, a calçadista Alpargatas e a siderúrgica Usiminas, entre outras. No ano passado, a empresa faturou mais de R$ 16 bilhões, sendo boa da receita provenientes da divisão de incorporação, cimentos e concessões.A área de engenharia e construção responde por pouco mais de 6% do faturamento anual da empresa. Apesar disso, a divisão detém o segundo lugar no ranking das maiores construtoras do País, atrás apenas da Norberto Odebrecht. A empresa desbancou a rival Andrade Gutierrez, vice-líder até 2007. No mundo, a Construtora Camargo Corrêa ocupa a 136º posição.Hoje a empresa está à frente de quase uma centena de projetos de infraestrutura, de extrema importância para o desenvolvimento do País. Um dos empreendimentos mais emblemáticos, e que causou polêmica, é a hidrelétrica de Jirau, uma usina de 3.300 MW de potência. A Camargo Corrêa detém 10% do consórcio que venceu a concessão do projeto no ano passado e será a construtora que levantará a obra de R$ 9 bilhões.A disputa pelo empreendimento se transformou numa verdadeira queda de braço com a concorrente Odebrecht. Apesar de ameaças, disputas judiciais e contestações de órgãos ambientais, a Camargo Corrêa, ao lado de seus sócios (a franco-belga Suez), conseguiu impor seu poder e manteve a concessão.A holding também fincou sua marca no exterior, especialmente nos países da América Latina, onde participa da construção de hidrelétricas e barragens e na administração de estradas. Além disso, tem presença nos Estados Unidos, por meio da Alpargatas e de uma concessão rodoviária em Denver, no Colorado. A licitação, vencida em 2007, prevê prazo de 99 anos de concessão para a vencedora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.