Naufrágio no Pantanal tem 8 desaparecidos e resgate complicado

Um corpo foi resgatado nestasegunda-feira e oito pessoas seguem desaparecidas um dia após onaufrágio de um barco no Pantanal, no Mato Grosso. O resgateestá prejudicado pela falta de visibilidade e pela fortecorrenteza do rio Cuiabá, segundo o Corpo de Bombeiros. Equipes de busca tentam arrastar o barco para melhorar otrabalho de resgate. A embarcação está a uma profundidade decinco a sete metros. "Estamos colocando uma grua com auxílio de um engenheironaval da Marinha para fazer a remoção da embarcação para umlocal de melhor acesso", disse à Reuters o comandante do Corpode Bombeiros do Mato Grosso, coronel Arilton Azevedo Ferreira. O naufrágio aconteceu no domingo numa área do rio Cuiabá, a80 quilômetros pelo rio do distrito de Porto Cercado (a 144quilômetros de Cuiabá), uma estância turística. O barco levava22 pessoas, sendo 12 turistas e 10 tripulantes. Do total, 13foram resgatadas com vida e oito continuam desaparecidas apósser recolhido o corpo do empresário de Cuiabá Luiz SérgioScaderlai, de 49 anos. Ele foi localizado a 10 quilômetros dolocal do acidente. As buscas foram encerradas no início da noite dasegunda-feira e serão retomadas na manhã de terça. O coronel disse que o trabalho no local "vai continuar atéque se encontre a última pessoa desaparecida". Para facilitar o resgate, novos mergulhadores foramincorporados à equipe, além do engenheiro naval e dois técnicosde uma empresa especializada em resgate náutico de Corumbá(MS). Ao todo, 49 mergulhadores do Corpo de Bombeiros e daMarinha estão no local do naufrágio, apoiados por embarcações edois helicópteros. O diretor da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB),José Humberto, disse que o mau tempo pode prejudicar as buscas,além da correnteza do rio. "As buscas são prejudicadas por causa do rio. O lugar éfundo e tem muita corredeira", afirmou. "Como o tempo estáfechado, não tem como o helicóptero levantar vôo. O tempo estáfechado e com relâmpagos." Ele e outros diretores da associação estão em PortoCercado. Os turistas que estavam no barco típico para passeiono Pantanal, equipado com camarotes, era de sócios daassociação. (Por Jonas da Silva)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.