Narcotráfico na Bolívia substitui gás como prioridade na agenda bilateral

BBC Brasil apurou que governo está preocupado com aumento da produção de folha de coca.

Marcia Carmo, BBC

08 de dezembro de 2009 | 05h57

O narcotráfico da Bolívia para o Brasil preocupa mais hoje o governo brasileiro do que o gás boliviano fornecido pelo país, que até recentemente era o principal assunto da agenda bilateral, segundo apurou a BBC Brasil.

O governo brasileiro quer intensificar as reuniões com autoridades bolivianas para que, juntos, tentem encontrar uma saída para o problema do tráfico. A preocupação é em relação ao aumento da produção da folha de coca no território boliviano e do tráfico da pasta base da cocaína para o Brasil.

No Brasil, avalia-se se o caminho será convencer os bolivianos da erradicação da plantação ilegal de folha de coca, o que seria difícil pela tradição deste cultivo no país. Também está em discussão se o combate deveria ser através de repressão conjunta, serviço de inteligência e cultivos alternativos rentáveis. Todas as hipóteses estão sendo avaliadas pelo Brasil.

Prioridade

A questão da droga é debatida entre os dois países desde 1977. Mas ao longo deste período poucas reuniões foram realizadas para discutir a questão. Agora, porém, o assunto é visto como "prioridade" pelo Brasil e estes encontros tendem a ser mais frequentes.

O incremento do tráfico de cocaína e de sua pasta base já foi alertado pela Polícia Federal brasileira. Estima-se que hoje mais de 80% da cocaína consumida por ano no Brasil sejam provenientes da Bolívia.

O Brasil ofereceu, recentemente, o cultivo de palmito para substituir a folha de coca na Bolívia. Mas as diferenças entre os rendimentos financeiros entre um produto e outro acabaram arquivando a proposta.

Autoridades brasileiras passaram a ser preocupar mais com a droga boliviana depois que o presidente da Bolívia, Evo Morales, ligado aos sindicatos dos chamados "cocaleros", expulsou a Agência Antidrogas americana (DEA, na sigla em inglês) do país. Eram vinte e cinco especialistas americanos que trabalhavam, principalmente, na área de inteligência.

O governo boliviano não tem recursos para substituir essa presença e espera contar com a ajuda do Brasil, como já foi anunciado, com helicópteros e aviões especiais para estas operações.

No entanto, a expectativa boliviana, de que o Brasil pagará esta conta, dificulta o entendimento.

A liberação destes equipamentos e recursos para o combate ao narcotráfico devem passar pelo Congresso Nacional e não estariam, segundo parlamentares governistas, na pauta de prioridades do Brasil hoje.

Produção

De acordo com dados das Nações Unidas (ONU) a área da folha de coca plantada na Bolívia aumentou 20% entre 2006 e 2008.

Também teria subido em 41% a produção estimada da pasta de coca boliviana.

No último fim de semana, o ministro de Governo da Bolívia, Alfredo Rada, informou que seis mil hectares de plantações de coca foram erradicados neste ano, quase mil hectares a mais do que no ano anterior. Ele disse que Brasil e Bolívia "estão fazendo esforços" para combater o narcotráfico "conjuntamente".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.