Napoleão será ?inclemente? com corrupção

Ao tomar posse, nesta segunda-feira, às 18h30, na Assembléia Legislativa, o novo governador do Piauí, Hugo Napoleão (PFL), disse que será "inclemente com a corrupção".No discurso de posse, Napoleão propôs um pacto político. "Não chego aqui com os olhos da perseguição e nem da vingança", disse.Ele afirmou também que seu primeiro programa vai ser chamado de "arrumando a casa". Ele vai administrar durante apenas 13 meses e 10 dias.Nesta segunda-feira à tarde, ao chegar para a solenidade de diplomação no Tribunal Regional Eleitoral, Napoleão disse que fará "um governo de paz e de alegria".Ele anunciou a suspensão de todos os pagamentos a fornecedores do Estado. A prioridade será a folha de pessoal. O governador também vai determinar auditorias para saber as razões do pagamento de R$ 3 milhões a fornecedores e empreiteiros nas últimas duas semanas.O novo governador assegurou que vai "passar o Piauí a limpo". O jornalista Fenelon Rocha, assessor de Napoleão, afirma que haverá auditorias para investigar desvios de recursos em diversas secretarias.Mas a ação de investigação deve concentrar-se na Secretaria da Saúde, que já é alvo de uma auditoria do Ministério da Saúde.Há um mês, 70 técnicos do ministério investigam desvios de verbas do SUS em hospitais públicos do Estado.A posse de Napoleão foi determinada pela manhã numa sessão do Tribunal Regional Eleitoral. Três dos cinco juízes rejeitaram o pedido do ex-governador Francisco Moraes, o Mão Santa (PMDB), que pedia a realização de novas eleições.Mão Santa foi cassado no dia 6 de novembro pelo TSE por abuso do poder econômico nas eleições de 1998. A votação para decidir entre diplomar Napoleão e convocar nova eleição chegou a ficar empatada em dois a dois.O voto de minerva foi dado pelo desembargador João Batista Machado, que presidiu a sessão porque o PMDB entrou com mandado de segurança contra a decisão do presidente do TRE, desembargador Antônio Gonçalves, de diplomar Napoleão imediatamente após a decisão do TSE que cassou Mão Santa, há duas semanas.Antes da votação, o procurador eleitoral Tranvanvan Feitosa disse que a não diplomação de Hugo Napoleão seria "o absurdo do absurdo jurídico".Feitosa afirmou que "a torpeza do candidato corrupto não pode produzir efeito negativo sobre quaisquer outros".O advogado de Mão Santa, Macário Oliveira, anunciou que recorreria da decisão do TRE nesta segunda-feira à tarde mesmo, entrando com dois recursos, um no TSE, e outro no Supremo Tribunal Federal.Ele alega que os juízes fizeram interpretações diferentes da Constituição e da legislação eleitoral.Enquanto acontecia a sessão do TRE que decidiu pela diplomação de Napoleão, militantes ligados a ele e a Mão Santa trocaram insultos, queimaram bandeiras e se agrediram.Gilson Macedo, do PFL, e Luciano Farias, militante do PC do B, foram feridos na cabeça. Um rapaz foi preso, mas logo liberado. A violência só não foi maior porque a PM manteve 40 homens no TRE e outros 40 de prontidão para coibir as agressões entre os simpatizantes dos dois políticos.Napoleão não esteva em Teresina durante a manhã. Ele acompanhou o julgamento de Brasília, onde nesta segunda-feira mesmo apresentou uma carta de renúncia à cadeira no Senado, que será ocupada por Benício Sampaio (PPB), um cardiologista que nunca exerceu mandato eletivo.O novo governador somente chegou a Teresina às 17 horas. Do aeroporto ele seguiu direto para o TRE, onde a cerimônia de diplomação foi rápida. Às 18h30 ele já estava empossado junto com seu vice, Felipe Mendes, do PPB.A transmissão do cargo aconteceu no Palácio de Karnak, a sede do governo estadual. Napoleão recebeu o cargo do governador interino, Kleber Eulálio (PMDB), que é o presidente da Assembléia Legislativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.