Não vejo razão para audiência com Gabrielli, diz Mercadante

Audiência fazia parte de acordo fechado entre os partidos e que antecederia a instalação da CPI da Petrobras

Leonardo Goy, da Agência Estado

18 de maio de 2009 | 18h09

O líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), disse nesta segunda-feira, 18, que não vê mais razão para que se faça audiência pública com o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, antes do início dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a empresa. Ele lembrou que essa audiência fazia parte de um acordo fechado entre os partidos e que antecederia a instalação da CPI. "Mas, infelizmente, o PSDB quebrou esse acordo", disse referindo-se à leitura do requerimento que criou a CPI, na sexta-feira passada.

 

Veja também:

link'Será uma CPI de defesa da Petrobras', diz líder do PSDB

linkBase descuida e oposição cria CPI da Petrobras

link MP pede investigação à manobra contábil da Petrobras

forum Enquete: A CPI da Petrobras atrapalha os investimentos da estatal?

especialVeja o que será apurado pela CPI da Petrobras

 

Mercadante deu sinais de uma nova postura do governo em relação à CPI, a de tentar ampliar o debate para tratar de temas como a exploração do pré-sal e o marco regulatório do setor. "Queremos fazer da CPI um instrumento de debate para falar do marco regulatório e discutir a quem interessa ter uma Petrobras enfraquecida", disse durante entrevista coletiva após deixar a tribuna do Senado. "O governo não teme a CPI. A CPI é tipicamente um instrumento de oposição, tanto é que estamos tentando criar uma CPI para investigar o governo do Rio Grande do Sul e o PSDB, lá, não deixa", acrescentou.

 

Ele evitou fazer comentários sobre a indicação do presidente e do relator da CPI, afirmando que ainda não conversou com nenhum outro líder sobre o assunto. "Defenderei que a CPI tenha os melhores nomes do Congresso", disse.

 

Questionado sobre a proposta apresentada na Câmara de se fazer uma CPI mista, Mercadante disse que não vê uma movimentação nesse sentido. "Inclusive, eu ouvi que a liderança do PT na Câmara já descartou essa hipótese".

Tudo o que sabemos sobre:
CPI da Petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.