FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

'Não vamos parar o País para assistir ao espetáculo da investigação', diz ministro sobre Lava Jato

Titular da Defesa, Jaques Wagner, saiu em defesa de empresas investigadas e que estão envolvidas em projetos estratégicos

TÂNIA MONTEIRO E FELIPE WERNECK, ENVIADOS ESPECIAIS, O Estado de S. Paulo

24 Fevereiro 2015 | 15h34

Itaguaí (RJ) - O ministro da Defesa, Jaques Wagner, após visitar a unidade de construção do submarino de propulsão nuclear, defendeu as empresas e empreiteiras brasileiras que estão desenvolvendo projetos estratégicos para o País, como é o caso da Odebrecht Defesa e Tecnologia, que participa deste trabalho. "É preciso separar as investigações que correm e a agenda de governo. Não vamos parar o País para assistir ao espetáculo da investigação", afirmou em referência à operação Lava Jato, que investiga as principais estatais do País, inclusive a empreiteira Odebrecht. Na opinião do ministro da Defesa, "a luta pela corrupção é ininterrupta porque onde tem dinheiro, tem sedução, e infelizmente é assim".

Jaques Wagner descartou a possibilidade de haver qualquer tipo de reconsideração em relação à Odebrecht por causa das denúncias da Lava Jato, que atingem inúmeras empresas. "De jeito nenhum", disse ele, ao ser questionado se haveria reavaliação em relação à empresa. O ministro lembrou que é preciso separar o que é bem-vindo das investigações e das operações que as empresas executam. Citou ainda que a Odebrecht, parceira no projeto do submarino, "representa a inteligência nacional".

Na opinião do ministro, "é importante que a luta contra a corrupção seja feita, mas que não se perca a inteligência nacional", que reiterou discurso feito pela presidente Dilma Rousseff, que defende a preservação das empresas para que elas não sejam atingidas pela corrupção, punindo apenas as pessoas. "Ela é uma grande empresa. Não temos qualquer constrangimento", disse Jaques Wagner, acrescentando que quem tiver problema, que os enfrente.

"Não vamos jogar a criança com água suja fora. Vamos só jogar a água fora e proteger a criança, que representa as empresas", emendou. O projeto do submarino está orçado em cerca de R$ 30 bilhões e a previsão de lançamento do primeiro submarino convencional é 2018. Até hoje já foi investido no projeto um total de R$ 12,5 bilhões.

Criada em 2011, a Odebrecht Defesa e Tecnologia atua no contexto da implantação da Estratégia Nacional de Defesa (END), para modernização do setor e reestruturação da indústria de defesa nacional. A Odebrecht Defesa e Tecnologia atua no mercado de defesa através da Itaguaí Construções Navais (ICN), voltada para a construção de submarinos com propulsão convencional e com propulsão nuclear do Programa Nacional de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), da Marinha do Brasil; Consórcio Baia de Sepetiba (CBS), responsável pelo planejamento, coordenação, gestão e administração das interfaces do PROSUB; e Mectron, com foco no desenvolvimento e fabricação de produtos de alta tecnologia e sistemas complexos para usos militar e civil.

Por meio do Programa de Desenvolvimento de Submarinos, a Odebrecht Defesa e Tecnologia, em parceria com a francesa DCNS, produz o primeiro submarino com propulsão nuclear do Brasil e outros quatro submarinos com propulsão convencional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.