Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

‘Não vamos admitir criminosos entre nós’, diz ministro da Defesa

Sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues está preso na Espanha por transportar em avião da FAB 39 quilos de cocaína

Teo Cury, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2019 | 19h35

BRASÍLIA – O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou no final da tarde desta quinta-feira, 27, que o segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues será julgado “sem condescendência” pela Justiça da Espanha e do Brasil. “Não vamos admitir criminosos entre nós. Neste caso, houve a quebra de confiança. A confiança é própria da cultura militar e nos é tão cara”, afirmou, em declaração a jornalistas. O militar foi detido em Sevilha, na Espanha, ao chegar ao país com 39 quilos de cocaína em sua bagagem pessoal, em um avião da FAB. 

“Comprovada a culpa deste militar, saibam que se trata de um desvio dos mais caros valores éticos e morais que praticamos nas Forças Armadas Brasileira. Registro que se trata de um caso inadmissível”, disse. O ministro afirmou ainda que o governo agirá “com total transparência” em relação às investigações envolvendo o militar preso em Sevilha nesta semana. “Tudo o que puder ser divulgado e que não comprometer o curso das investigações será divulgado.”

Após a breve fala do ministro, no entanto, o porta-voz da Força Aérea Brasileira (FAB), major aviador Daniel Rodrigues Oliveira, escalado para responder perguntas de jornalistas durante coletiva no Ministério da Defesa, não detalhou os procedimentos de segurança adotados pela instituição antes do embarque do segundo-sargento. 

De acordo com o porta-voz, “existem protocolos” adotados pela FAB, mas “o fato em si é objeto da investigação e corre sob sigilo”. Perguntado reiteradas vezes por jornalistas sobre quais são os procedimentos adotados frequentemente pela Força Aérea, o major afirmou apenas que a praxe é que tripulantes passem por revista.

De acordo com o porta-voz, os procedimentos adotados só serão conhecidos com a conclusão do inquérito policial militar, instaurado nesta quarta-feira, 26. “Para que a gente consiga ter a resposta, precisamos esperar o inquérito. Quando for concluído o inquérito, que tem a data de 40 dias mais 20 dias, vai ter a conclusão deste processo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.