'Não tive a intenção', diz presidente do Cade sobre omissão no currículo

Vinícius Marques de Carvalho atribuiu a um 'lapso' a ausência da informação de vínculo com deputado denunciante do cartel dos trens

Andreza Matais e Fábio Fabrini - O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2013 | 07h34

O presidente do Cade, Vinícius Marques de Carvalho, afirmou que não teve "a intenção de omitir" do currículo o trabalho como chefe de gabinete do deputado Simão Pedro (PT-SP). Segundo ele, a ausência "provavelmente foi um lapso". "Podia ter colocado o negócio do Simão, não ia mudar nada e eu não iria ter o problema que eu estou tendo de ter que ficar me explicando."

 

Carvalho negou que a omissão tenha servido para evitar questionamentos. "O Simão Pedro não tem nada a ver com o acordo da leniência. Quem foi procurar o Superintendência-Geral do Cade foi a Siemens." Ele afirmou que não incluiu o trabalho para o deputado no seu currículo do Cade porque a assessoria, "provavelmente, colocou as informações que têm mais a ver com as questões relacionadas ao Cade."

 

Simão Pedro atribuiu ao destino o caso Siemens, denunciado por seu gabinete, emergir no Cade, sob o comando de um ex-assessor. Segundo ele, a relação com Carvalho é de "amizade" e não interferiu nas apurações sobre o cartel do metrô, em curso no conselho. "É uma coincidência danada do destino", afirmou o deputado petista.

Tudo o que sabemos sobre:
cartel dos trenscadesiemens

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.