Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

'Não tenho banqueiro me apoiando', responde Dilma

"Eu não tenho banqueiro, você entende, me sustentando", disse Dilma, em referência à acionista e herdeira da holding Itaúsa Maria Alice Setubal

CARLA ARAÚJO E VALMAR HUPSEL FILHO, Estadão Conteúdo

09 de setembro de 2014 | 18h05

A presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, rebateu nesta terça-feira de forma dura as declarações da candidata Marina Silva (PSB) de que teria criado o "bolsa-banqueiro". "Não adianta querer falar que eu fiz bolsa-banqueiro. Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro, você entende, me sustentando", disse Dilma, em referência à acionista e herdeira da holding Itaúsa Maria Alice Setubal, a Neca, que integra coordenação de campanha de Marina.

A presidente e candidata do PT à reeleição voltou a comentar a defesa de autonomia do Banco Central (BC), proposta defendida pela oposição. "O Banco Central, como qualquer outra instituição, não é eleito por tecnocrata, nem por banqueiros. O Banco Central é indicado sua diretoria por quem tem voto direto", disse.

Perguntada se a posição contrária à autonomia da instituição significava que existe por parte do governo alguma interferência na autoridade monetária, Dilma não respondeu. Ela disse, no entanto, que o Congresso "chama" o BC e o faz "prestar contas". De acordo com a presidente e candidata do PT, a independência do BC representa que o banco definirá de forma direta a política econômica. "Representa uma coisa muito simples (a autonomia). Vão definir a taxa de juros, as condições de política de crédito, serão definidas automaticamente, sem prestar contas ao Executivo nem sequer ao legislativo", afirmou.

Marina

A campanha pela reeleição de Dilma começou hoje a veicular inserções publicitárias dizendo que, com a proposta de dar autonomia formal ao BC, a candidata do PSB a presidente quer dar aos bancos "um poder que é do presidente e do Congresso eleitos pelo povo". "Ela (Dilma) disse que ia ganhar para baixar os juros. Nunca os banqueiros ganharam tanto como em seu governo. Agora, eles, que fizeram a bolsa-empresário, a bolsa-banqueiro, a bolsa-juros altos, estão querendo nos acusar de forma injusta em seus programas eleitorais", declarou Marina.

Tudo o que sabemos sobre:
ELEIÇÕESDILMASPMarinaresposta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.