'Não sou presidenciável', diz Tarso Genro sobre eleições 2010

Ministro da Justiça diz que os ministros com maior exposição pública podem ser candidatos à sucessão de Lula

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2008 | 13h14

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou que não é presidenciável e desautorizou colegas de partido a lançar seu nome à sucessão do presidente Lula. "Não sou presidenciável e proíbo meus companheiros de mencionar meu nome. Não estou preocupado e peço que os companheiros não veiculem meu nome porque isso só atrapalha o meu trabalho como ministro da Justiça", disse Tarso, após participar esta manhã do lançamento do livro Falcão: Mulheres e o Tráfico no presídio feminino Talavera Bruce, em Bangu, na zona oeste do Rio.   O ministro afirmou que os ministros com maior exposição pública podem ser candidatos à sucessão presidencial desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sinalize neste sentido.   "Entendo que nós que somos ministros do presidente Lula devemos nos mover politicamente à medida que o presidente abrir um movimento em relação a isso, na composição de uma nova frente política a partir de 2008", disse Tarso a jornalistas após visitar um presídio feminino em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro.   O petista defendeu que os ministros "devem se mover politicamente à medida que o presidente abrir um movimento em relação a isso, na composição de uma nova frente política a partir de 2008".     (Com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.