Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

‘Esses malucos que falam pela direita nem de direita são’, diz vice líder do governo no Congresso

Eleita na onda bolsonarista em 2018, Soraya Thronicke (PSL-MS) não garante voto para reeleger presidente e defende construção de 'direita racional'

Entrevista com

Soraya Thronicke (PSL-MS)

Julia Affonso, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2022 | 11h17

Vice-líder do governo no Congresso e crítica da gestão Jair Bolsonaro, a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) tem batido na tecla de que é preciso construir uma “direita racional”. Ao Estadão, a parlamentar defendeu limites à liberdade de expressão, um Estado laico e uma direita sem extremistas – classificados por ela como “camicases”. A postura tem lhe rendido apoio, mas também xingamentos, ataques e ameaças virtuais. “Não sou uma bajuladora de mandato. Não serei jamais”, afirma.

Aos 48 anos, a advogada e empresária estreou na política em 2018, na onda bolsonarista, mas não promete apoio à reeleição do presidente. “Se ele estiver do lado das (nossas) bandeiras, de repente eu estarei (com ele). Eu sou fiel aos princípios. Se ele não é, ele é que não estará ao nosso lado”, diz. O tom crítico a Bolsonaro não foi impeditivo para que ela assumisse uma das vice-lideranças do governo no Congresso. Seu papel (junto a um time de outros 16 vice-líderes, entre deputados e senadores) é fazer articulações políticas designadas pelo líder Eduardo Gomes (MDB-TO) e acompanhar assuntos de interesse do Palácio do Planalto para votações no Congresso. Na prática, os vices são auxiliares do líder.

Confira os principais trechos da entrevista:

O que é “direita racional”?

Nós fomos eleitos (em 2018) levando a bandeira da direita, que estava adormecida e emergiu. Mas misturaram os assuntos. Eu comecei a perceber esses “gaps” na compreensão, coisas esdrúxulas. Eu tenho falado em direita responsável porque a gente está vendo que ficou pejorativo ser de direita. Um monte de gente não sabe o que é ser de direita, não sabe quais são as bandeiras que nós carregamos, não age dentro de uma economia liberal que era a nossa maior proposta. Se somos Estado mínimo, o que a sexualidade das pessoas tem a ver com o Estado? Esses malucos que falam pela direita, para mim, nem de direita são.

Quais coisas esdrúxulas?

Não é uma pauta racional e de democracia essas questões de fechar o STF, atacar os Poderes. Nós vivemos num Estado laico. Eu sou religiosa, mas isso é coisa minha, particular. 

Ainda apoia o presidente?

Nas bandeiras às quais ele se mantém fiel, sim. Eu sou fiel às bandeiras da direita de verdade, como Estado mínimo, liberdade econômica, até mesmo a bandeira armamentista. Mas, acima de tudo, defendo a bandeira anticorrupção, que foi deixada de lado. A fidelidade tem que ser aos princípios e às bandeiras. Foi com isso que eu me comprometi e foi com isso que lá na campanha nós nos unimos. Essa ‘direita camicase’ se autodestrói.

Após criticar o blogueiro Otávio Fakhoury na CPI da Covid, a senhora foi atacada nas redes sociais.

Eu não quero ser confundida com essas pessoas, quero ter uma conduta equilibrada e firme. Eu falo o que eu tenho que falar. Não vou na onda, só porque eu sou vice-líder do governo no Congresso. Não tenho apego nenhum a esses crachás e voto do jeito que eu quero. Eu não sou uma bajuladora de mandato. Não serei jamais.

Bolsonaristas a atacam por ser dona de motéis.

Não são liberais na economia? Eu pago imposto, eu emprego, inclusive presidiárias. Minha atividade é legal. Os liberais da economia me criticam e querem usar (isso) contra mim. E aí também entra outra questão: o que é liberdade de expressão? Quer dizer que se eu tenho liberdade de expressão – e ainda tenho imunidade parlamentar – posso te xingar à vontade? Venha com uma atitude que soma. Essa não é solução para absolutamente nada.

Como lidou com as críticas durante a CPI da Covid?

Eu mirei no que eu entendo, na minha concepção do que é certo. Teve um dia que eu entrei numa reunião da ala governista e estava o (Eduardo) Pazuello, já não era mais ministro (da Saúde), explicando como ia defender o tratamento precoce. Do jeito que eu cheguei, eu falei: ‘É disso que vocês estão falando? Não é possível. Alguém está louco aqui. Alguém está muito fora da casinha’. Ao mesmo tempo em que fui atacada, pessoas que não imaginavam que eu tinha esse pensamento começaram a prestar atenção. 

É favorável ao orçamento secreto?

É um absurdo, está errado. Nada pode ser secreto.

Apoiará a reeleição de Bolsonaro?

Se ele estiver do lado das bandeiras, de repente eu estarei. Eu sou fiel aos princípios. Se ele não é, ele é que não estará ao nosso lado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.