André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

'Não se tem respeito pelas instituições', diz Marco Aurélio sobre vídeo de Eduardo Bolsonaro

O deputado federal havia insinuado o fechamento do STF, mas recuou após repercussão negativa

Renan Truffi e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2018 | 20h35

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), classificou neste domingo, 21, de "muito ruim" o conteúdo de um vídeo, que circula nas redes, no qual o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), diz que basta "um soldado e um cabo" para fechar o Supremo. Para o magistrado, são "tempos estranhos" e o conteúdo da declaração denota que "não se tem respeito pelas instituições pátrias". "Vamos ver onde é que vamos parar", complementa.

A fala de Eduardo Bolsonaro se deu em resposta a questionamento durante uma palestra antes do 1º turno, em 9 de julho, sobre a possibilidade de seu pai ser impedido de assumir o Planalto caso fosse eleito ainda na primeira fase da corrida presidencial. Na ocasião, Eduardo estava dando uma palestra em Cascavel (PR) para alunos de um curso preparatório para o concurso da Polícia Federal. 

"Tempos estranhos, vamos ver onde é que vamos parar. É ruim quando não se tem respeito pelas instituições pátrias, isso é muito ruim", disse o ministro Marco Aurélio Mello ao Brodcast Político. Questionado se a declaração poderia evidenciar uma afronta à separação entre Poderes, o magistrado respondeu: "não sei, pois é o estágio da nossa democracia né. Vamos aguardar as eleições para ver o que ocorrerá em 2019. É tempo de temperança, importante é as instituições funcionarem", complementou.

No vídeo, Eduardo Bolsonaro comenta uma eventual impugnação da candidatura de Jair Bolsonaro, mas diz que o STF teria de "pagar para ver", caso tomasse tal decisão. "Aí eles vão ter que pagar para ver. Será eles que vão ter essa força mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF sabe o que você faz? Você não manda nem um jipe, manda um soldado e um cabo. Não é querendo desmerecer o soldado e o cabo. O que é o STF cara? Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que ele é na rua?", disse ele. 

Após a repercussão negativa, Eduardo Bolsonaro recuou, afirmando que nunca defendeu tal posição. "Se fui infeliz e atingi alguém, tranquilamente peço desculpas e digo que não era a minha intenção", afirmou em seu perfil das redes sociais. O deputado também repetiu seu pai, que mais cedo disse a jornalistas que, "se alguém falou em fechar o STF, precisa consultar um psiquiatra". "De fato essa pessoa precisa de um psiquiatra", disse o parlamentar.

RISCO. Na véspera do primeiro turno das eleições, o ministro Marco Aurélio já  havia dito, em entrevista ao Estadão/Broadcast, que estava preocupado com o rumo das eleições e via risco para a democracia, uma vez que o País está defrontado "com extremos de populismo de direita e de esquerda". 

"Se fizermos um levantamento do que já ocorreu no País, vamos ver que o risco é sempre latente. Mas eu não imaginava cogitar-se, por exemplo, de um governo composto em termos de titularidade, em termos de vice-presidente da República, em termos de auxiliares, por militares. Admiro os militares, mas que estejam sempre na caserna. Ou reformados na atividade na vida privada", disse o ministro na ocasião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.