Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Não quero submeter meu filho ao fracasso', diz Bolsonaro sobre indicação de Eduardo

Presidente comentou resistência no Senado ao nome do deputado federal para assumir embaixada do Brasil nos Estados Unidos

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2019 | 10h07
Atualizado 20 de agosto de 2019 | 16h55

BRASÍLIA - Um dia após o Estado informar que 29 senadores resistem à indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada do Brasil em Washington, o presidente Jair Bolsonaro admitiu a possibilidade de desistir da nomeação do filho e declarou que não quer submeter Eduardo "ao fracasso" no Senado. 

"Eu não quero submeter o meu filho a um fracasso. Eu acho que ele tem competência. Mas tudo pode acontecer, prezado companheiro. A gente pode estar morando junto amanhã, pode acontecer", disse o presidente ao ser questionado sobre as dificuldades que a indicação enfrenta no Senado. Horas mais tarde, Eduardo afirmou que não teve nenhuma conversa com o pai sobre o assunto e que a indicação está mantida

Bolsonaro falou com a imprensa ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta terça-feira, 20. Na segunda, o Estado mostrou que, dos 81 senadores, 29 responderam que pretendem votar contra o nome do “filho 03” do presidente e apenas 15 disseram ser a favor da indicação. Outros 36 não quiseram responder (29) ou se colocaram como indecisos (7). 

Indagado sobre levantamentos informais que mostram que Eduardo estaria a sete votos para a aprovação no plenário do Senado, Bolsonaro respondeu que o número representa "voto para caramba". "Eu já vi gente declarando muita coisa sem pé nem cabeça. Filho de Bolsonaro está pilotando um Boeing... Não estou entendendo. Nepotismo... Se não for meu filho, vai ser filho de alguém", repetiu.

A indicação de Eduardo criou uma "guerra de pareceres" no Senado. Após a divulgação de um documento elaborado pela consultoria legislativa da Casa que aponta nepotismo na possível nomeação, outro parecer, também de consultores, afirma o contrário: a indicação não configuraria favorecimento indevido de um parente por parte do presidente da República.

Sobre o parecer contrário, Bolsonaro disse que as consultorias agem de acordo com o interesse do parlamentar. "Tem um viés político dessa questão. O que vale para mim é a súmula do Supremo (Tribunal Federal) que diz que não é nepotismo", afirmou o presidente. Ele ponderou que, "se o Senado quiser rejeitar o nome de Eduardo, é direito dele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.