Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Não podemos abrir mão da democracia’, defende Baleia em discurso de candidato

Em crítica indireta aos apoiadores do governo Bolsonaro, deputado diz que não flerta com extremismos

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 21h39

BRASÍLIA – Candidato à presidência da Câmara, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP) afirmou que a Casa precisa ser independente em relação ao Poder Executivo. Em discurso antes da votação nesta segunda-feira, 1º, disse ser preciso defender a democracia e as instituições.

“Nos unimos partidos que são diferentes, tem ideologias diferentes. Partidos que pensam a sociedade de forma diferente, mas a diferença nos fortaleceu. Não podemos abrir mão da defesa da nossa democracia”, disse ele, citando o bloco com dez partidos que formou em apoio à sua candidatura. 

Em crítica indireta aos apoiadores do governo de Jair Bolsonaro, Baleia afirmou que não flerta com extremismos, ao mencionar a destruição de seu material de campanha em Brasília.

“Não podemos abrir mão das defesas das nossas instituições. Nesta semana, o mesmo delinquente que soltou fogos de artifícios em cima do STF e agrediu aquela enfermeira estava depredando nosso material de campanha. Onde tem democracia nesses atos extremistas e radicais? Eu não flerto com esse tipo de gente”, disse Baleia.

No discurso, o candidato destacou que a Câmara foi protagonista nas medidas de enfrentamento à pandemia, inclusive ao contrariar o governo e decidir aumentar o auxílio emergencial de R$ 200 para R$ 600. Em nova menção indireta a Bolsonaro, disse que, sob sua gestão, a Casa dará prioridade à pauta social e às medidas de mitigação das consequências da covid-19.

“Vamos votar a pauta social e continuar enfrentando a pandemia. Que país é esse que não se sensibiliza com 220 mil mortes? Esta Casa votou todos os projetos para enfrentamento da pandemia”, afirmou.

O candidato do MDB também se comprometeu a, uma vez eleito, colocar em votação reformas estruturantes para recuperar a economia do País. “Temos o compromisso com a pauta de Brasil. Nós precisamos avançar em reformas. Porque ainda não votamos a reforma tributária, se o Brasil precisa gerar emprego e renda, melhorar o ambiente de negócio, destravar a nossa economia? Não é a briga política que vai fazer com que a gente não consiga. E uma das prioridades da nossa administração será votar a reforma tributária para o Brasil ter esperança novamente de crescimento e de geração de emprego e renda.”

Ele ainda criticou a atuação do Palácio do Planalto para eleger seu principal adversário, Arthur Lira (Progressistas-AL), e citou reportagem do Estadão que revelou a distribuição de R$ 3 bilhões em verbas extras para 250 deputados e 35 senadores em meio à eleição do Congresso.

“O Estadão publicou uma matéria esta semana onde detalha que o relator do Orçamento colocou para sua base 160 milhões para uma cidade. O outro líder enviou R$ 80 milhões para atender a sua base. Outros 78 milhões, mais um R$ 50 milhões, enquanto os parlamentares lutam para buscar recursos para Apaes, para Santas Casas, para o desenvolvimento dos seus municípios, com pires na mão”, afirmou Baleia. “Agradeço a todos os deputados que não puderam declarar voto em minha candidatura porque foram coagidos e ameaçados pelo governo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.