Não pleiteio a Presidência, pois já sou presidente, diz Lula

Presidente aproveita para criticar antecessores e dizer que está 'reparando erros dos últimos 40 anos'

Elizabeth Lopes, da AE,

25 de abril de 2008 | 13h51

Numa resposta à oposição que classifica o PAC de "eleitoreiro" e plataforma para um eventual terceiro mandato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou: "Não estou pleiteando a Presidência, pois já sou presidente." A declaração foi feita na manhã desta sexta-feira, 25, , em discurso de mais de meia hora, durante liberação de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento  (PAC) para obras de habitação e saneamento na região de Campinas.   Veja também:   ESPECIAL: o balanço do PAC Lula nega PAC eleitoreiro e diz que manterá viagens   Lula aproveitou para criticar seus antecessores e disse que seu governo está reparando os erros que se acumularam ao longo dos últimos 40 anos. "Pobre neste país só é levado em conta em época de eleição", destacou, complementando: "Doa a quem doer, mas tenho que dizer que em época de eleição pobre tem mais valor do que o banqueiro. Depois de eleitos, muitos almoçam com os banqueiros e se esquecem dos pobres. Eu estou mudando essa lógica perversa da política."   No evento, Lula voltou a defender o PAC dizendo que atualmente todos os municípios do Brasil estão sendo contemplados com obras do programa. Na defesa do PAC, Lula disse que o programa é apartidário e o maior exemplo disso é o Estado de São Paulo que tem um governador do PSDB (José Serra) e já recebeu mais de R$ 8 bilhões. "Para um presidente republicano, não interessa a legenda; meu acordo é com o povo", disse, sob aplausos de uma platéia formada basicamente por beneficiários desse programa.   Ainda nas críticas às gestões anteriores, Lula disse que muitos governantes não tinham interesse em tirar os prefeitos da chamada "fila burra" da liberação de verbas. Segundo ele, isso era um pretexto para a não liberação de recursos para os que estavam aptos a recebê-los, pois muitas vezes era de partidos opostos. "Quando o PAC começou, tinha muita gente descrente e que falava que era pirotecnia, mas ele é uma realidade em todo o País", ressaltou.

Tudo o que sabemos sobre:
PresidênciaLulaeleições 2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.