"Não participei, não apoiei, não tinha conhecimento"

Nas primeiras declarações públicas sobre o caso Waldomiro Diniz, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, jurou inocência em seguidas frases com a palavra ?não? e disse que permanece no cargo. Em entrevista à revista Veja, ele afirmou: ?Eu não vou sair do governo. Eu não tenho nenhuma relação com esse caso, não tenho nenhuma dúvida com relação a isso. Não participei, não apoiei, não tinha conhecimento. Não devo sair.? Dirceu afirmou que não sabia das atividades irregulares de Waldomiro e sobre a investigação sigilosa que a Polícia Federal estava fazendo sobre a vida do hoje ex-assessor. ?Eu não tinha notícia sobre isso?, disse. ?Se eu soubesse, por exemplo, daquele inquérito sigiloso, evidentemente o meu comportamento teria sido outro.?Na avaliação do ministro, o único erro que teria cometido foi o de não afastar Waldomiro quando surgiram as primeiras denúncias sobre o ex-assessor. ?Cometi um erro, não um crime.?Sobre o pedido de demissão apresentado por ele ao presidente Luiz Inácio da Silva, Dirceu explicou que era seu dever apresentar fazê-lo. ?É um cargo de confiança, um cargo do presidente da República. Eu tinha de entregar o cargo ao presidente?, afirmou. Lula não aceitou o pedido. O ministro disse que tem o direito à dúvida por sua história na vida política e que acredita que a ?opinião pública vai separar o joio do trigo?.Questionado se o governo seria afetado com sua saída, Dirceu declarou que nada mudaria e que não teria uma ?crise existencial? se isso ocorresse. ?Tenho 40 anos de vida pública, entendeu? E não é um fato como esse, que, repito é grave e cujas providência legais cabíveis foram tomadas, que vai manchar a minha biografia.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.