"Não me sinto pressionado" por decisão de Alckmin, diz Serra

prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB) disse hoje que não se sente pressionado pela decisão do governador Geraldo Alckmin de firmar desde já sua pré-candidatura à Presidência da República e anunciar que deixará o cargo em março para disputar a eleição. Apesar de ter evitado por diversas vezes abordar o assunto com os jornalistas, Serra afirmou que este é um direito de Alckmin, mas que não tinha mais nada a acrescentar sobre o assunto. "Não me sinto nem me sentirei pressionado. Não vejo como pressão o que o Alckmin falou", afirmou Serra ao entregar a primeira etapa das obras de restauração do hospital municipal do Campo Limpo, na zona sul da capital paulista. "É um direito e não tenho nada a acrescentar a este respeito". Serra disse claramente aos jornalistas presentes que não iria se aprofundar sobre o tema, mas ressaltou que não achou precipitada a atitude do governador. "Eu não vou falar muito disso, só queria dizer o seguinte: do meu ângulo não há nada para eu me manifestar neste momento. Se eu tiver alguma coisa para dizer, eu chamo a Imprensa e digo". Serra pediu durante a entrevista que fossem tratados de temas relacionados à cidade de São Paulo, além de comentar as ações da Prefeitura na área de saúde, ele disse também que está desenhando um plano para derrubar o viaduto Diário Popular. Ele ressaltou, no entanto, que ainda não tem estimativa quando isso ocorrerá.

Agencia Estado,

11 de janeiro de 2006 | 13h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.