Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Não mandei gravar o presidente da República', diz Miller

Ex-procurador diz nunca ter orientado nenhum delator a fazer gravações

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 13h29

BRASÍLIA - O ex-procurador Marcelo Miller negou nesta quarta-feira, 29, que tenha orientado delatores a realizar gravações de delatados, em negociações feitas pelo Ministério Público Federal (MPF). Miller citou diretamente o presidente Michel Temer, alvo de escuta feita pelo empresário Joesley Batista em conversa no Palácio do Jaburu. A gravação do peemedebista foi utilizada como base para um pedido, da Procuradoria-Geral da República, de abertura de investigação contra o presidente.

+++ Ex-procurador admite 'lambança' com acordo da J&F, mas diz que não cometeu crime

"Nunca mandei, nunca orientei ninguém a gravar ninguém como membro do Ministério Público Federal. Não participei disso. Eu não mandei gravar o presidente da República", afirmou. Para convencer os parlamentares, Miller elencou uma série de casos de colaboração premiada em que atuou, no âmbito da Operação Lava Jato, mas que não tiveram registro de gravação dos denunciados. O ex-procurador lembrou que participou, por exemplo, das negociações envolvendo a delação de Fernando Baiano, Ricardo Pessoa e também da Andrade Gutierrez.

+++ CPI da JBS cogita recorrer ao plenário do STF para ouvir ex-braço direito de Janot

Miller foi questionado, então, pela sua atuação no caso envolvendo o ex-senador Delcídio Amaral, flagrado em gravação na qual tratava de plano para barrar a Operação Lava Jato. O ex-procurador negou, entretanto, que tenha havido ação controlada do Ministério Público Federal para que fossem produzidas provas contra o político. "Não teve ação controlada no caso do Delcídio Amaral. Até onde eu sei não havia crime em curso", explicou.

+++ Advogado diz que Marcello Miller mandou gravar reunião com advogados da Odebrecht

As declarações foram feitas a deputados e senadores durante oitiva realizada pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS. O ex-procurador foi convocado para depor à comissão porque está no centro da crise que atingiu a Procuradoria-Geral da República (PGR). Ele é suspeito de atuar nos dois lados do balcão e orientar a J&F quando ainda era do Ministério Público Federal (MPF).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.