Não houve concessão para acordo no PSDB, diz Aníbal

Deputado tucano diz que o governador José Serra contribuiu para que a decisão do partido em São Paulo

Paula Laier, da Agência Estado,

22 de junho de 2008 | 12h13

O líder do PSDB na Câmara, deputado José Aníbal (PSDB-SP) reforçou na convenção do partido, na manhã deste domingo, 22, a tese de que não houve nenhuma concessão no acordo que definiu chapa única do PSDB nas eleições municipais de São Paulo. "Havia uma posição francamente majoritária a favor da candidatura própria. Uma condição que se consolidou nas últimas semanas", disse.   Aníbal não considerou um recuo a desistência da ala pró-Kassab, mas avaliou como um entendimento que persistir naquela posição era brigar com os fatos. "Brigar com os fatos, nem sempre é bom, não dá certo", afirmou. Ele disse que o governador José Serra, "de um modo ou de outro contribuiu para que a discussão fosse a que está prevalecendo aqui hoje. Uma posição de unidade. O governador Serra sabe tanto quanto eu, que a receita para ganhar é a unidade. E a receita para perder é a desunião. Nós queremos ganhar". Em relação a eleição de 2010, Aníbal disse que ainda é muito cedo para pensar, e que a eleição municipal não tem esta associação tão forte com a nacional.   Aníbal, contudo, admitiu que "a unidade do partido prenuncia nesta eleição (municipal), a nossa unidade em 2010". Ele afirmou ainda não ter a menor dúvida de que o governo Serra irá embarcar na campanha de Geraldo Alckmin à Prefeitura paulistana.   O presidente estadual de São Paulo, Antonio Carlos Thame (PSDB-SP) também afirmou que não houve negociação para ser ter Alckmin como candidato único, e considerou o resultado como importante, pois "uma cisão num momento tão dramático em uma cidade como São Paulo, seria interpretada como uma ruptura". A convenção do PSDB paulistano trouxe uma novidade, uma vez que neutralizará as emissões de gás dióxido de carbono, através de plantio feito pela Fundação SOS Mata Atlântica, de acordo com assessoria do PSDB, é a primeira convenção partidária no País, realizada em "carbono neutro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.