'Não há lavagem da lavagem', diz defesa de João Paulo

O advogado Alberto Toron pediu há pouco a absolvição do deputado João Paulo Cunha (PT-SP) do crime de lavagem de dinheiro por ter sido beneficiário de um saque em espécie de R$ 50 mil das contas de uma das empresas do publicitário Marcos Valério. "O sacador, que recebia o dinheiro no banco, ele não lavava absolutamente nada, e quem o diz é o Ministério Público", afirmou. "Não há lavagem da lavagem", completou.

RICARDO BRITO, Agência Estado

08 de agosto de 2012 | 19h37

Na sua exposição no julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), Toron lembrou o voto de três ministros da Corte na época do recebimento da denúncia, em 2007: Ayres Britto, Gilmar Mendes e Eros Grau, já aposentado. À época, os três votaram por rejeitar a acusação do Ministério Público por entenderem que não houve tentativa de se ocultar a transação, elemento necessário para se processar alguém por lavagem de dinheiro.

O defensor de Cunha repetiu o que disse Gilmar Mendes em 2007, que acusar seu cliente de lavagem é "fantasmagórico". Ao final da exposição, ele pediu a absolvição de todos os crimes a que o deputado, candidato à prefeitura de Osasco (SP), responde. "Da prova não se extrai nenhum crime", defendeu.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoJoão Paulo Cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.