Não há governo que consiga paz sem desenvolvimento, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que lutará para criar um fundo de desenvolvimento e integração para a América Latina e América do Sul, além de continuar lutando pela criação de um fundo global de combate à pobreza. Ele afirmou que, se o mundo quer paz e combater o terrorismo, a resposta é o desenvolvimento. "Sem desenvolvimento, não há governo que consiga paz em seu país", afirmou, durante discurso na abertura do seminário ?Responsabilidade Social Empresarial ? Encontro Internacional ? As Dimensões Éticas do Desenvolvimento?, promovido pelo governo de Minas, Federação das Indústrias do Estado de Minas (Fiemg) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).Lula afirmou que a integração da América do Sul não pode ser apenas um discurso, mas tem que se colocar em prática, com construção de estadas, pontes, aeroportos. O presidente disse que esse foi um assunto que discutiu com o presidente norte-americano, George Bush. Na avaliação do presidente, não basta a economia crescer, mas é preciso ter certeza de que esse crescimento será repartido. Ele afirmou que o Brasil foi o país que mais cresceu entre as décadas de 50 e 80, a uma taxa média de 7% ao ano, mas que essa riqueza não foi distribuída. Ao contrário, as dívidas foram repartidas. Lula disse que sua participação em eventos mundiais sobre desenvolvimento tem sempre o enfoque do combate à pobreza. E que o grande objetivo deve ser sempre o de repartição de cada bem produzido de forma mais justa. Lula disse que, no livre comércio, na teoria, todos teriam igualdade de comercialização. ?Mas que o comércio não é tão livre quanto os protocolos propõem. E que as economias mais ricas conseguem impor obstáculos ao livre trânsito das mercadorias, criando tarifas proibitivas?, criticou.Lula afirmou que a integração da América do Sul não pode ser apenas um discurso, mas tem que se colocar em prática, com construção de estadas, pontes, aeroportos. O presidente disse que esse foi um assunto que discutiu com o presidente norte-americano, George Bush. Após a participação no seminário, o presidente seguiu para do Palácio da Liberdade, para almoçar com o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, com o primeiro-ministro da Noruega, Kjell Magne Bondevike, com os quatros ministros que o acompanham e com o presidente do BID, Enrique Iglesias.

Agencia Estado,

03 de julho de 2003 | 15h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.