'Não há contradição entre Revalida e Mais Médicos'

"Não há contradição entre o Revalida o mais médicos", disse neste domingo (25), em Fortaleza, o secretário nacional de gestão estratégica e participativa do Ministério da Saúde, Odorico Monteiro. "O Revalida é para o médico exercer plenamente a medicina no Brasil. Esses médicos cubanos do Mais Médicos não vão estar exercendo plenamente a medicina no Brasil. Eles vão estar exercendo a medicina na unidade básica de saúde que ele está inserido", destacou.

LAURIBERTO BRAGA, Agência Estado

25 de agosto de 2013 | 18h14

Para Odorico esta situação "já é uma prática normal no Conselho Regional de Medicina (CRM). Inclusive aqui em Fortaleza nós tivemos isso. Vários brasileiros que se formaram em Cuba fizeram suas especialização aqui com o CRM provisório".

Segundo Odorico, os cubanos "não podem dar plantão em hospital, não podem fazer cirurgia, ele não pode fazer anestesia. Ele não pode fazer nenhum procedimento cirúrgico e clínico em plantão fora da unidade de saúde. Ela vai fazer única e exclusivamente a atenção básica. Ela vai atuar no Programa Saúde da Família."

"O Revalida é para o médico que quer exercer plenamente a medicina no Brasil. Ela valida o seu diploma e aí ele pode dar plantão em hospital, fazer cirurgia, fazer anestesia de acordo com a especialidade dele. Por exemplo, hoje, em todo o Brasil, houve prova do Revalida para este pessoal", afirmou o secretário.

Sobre a resistência do Conselho Federal de Medicina ao caso, Odorico Monteiro diz que ela "é natural, mas estamos abertos ao diálogo. Mas o mais importante é que ninguém no Brasil pode ser contra a assistência à população. Existe verdadeiramente uma população brasileira que mora no interior dos estados, no Norte e Nordeste e na periferia das grandes cidades que está desassistida por falta de médico".

Para ele o "Mais Médicos é um projeto de médio e longo prazos, envolvendo investimentos na infraestrutura, criação de novas vagas em cursos de Medicinas e a ampliação da Residência Médica. Nós queremos que em 2017, para cada médico formado no Brasil, tenha uma vaga de especialidade. E a nossa meta é que em 2026 nós tenhamos o que a Inglaterra tem hoje: 2,7 médicos por mil habitantes. Nós hoje temos 1,8. Nós somos lanternas no mundo na relação médico por mil habitantes".

Tudo o que sabemos sobre:
RevalidaMais Médicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.