Não há assunto proibido, diz líder petista sobre CPI do Cachoeira

Deputado Jilmar Tatto lembrou que investigação sobre as relações do contraventor pode atingir políticos de todos os partidos e negou tentativa do PT de barrar andamento

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

17 de abril de 2012 | 18h32

BRASÍLIA - O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), afirmou nesta terça-feira, 17, não haver "assunto proibido" na CPI mista que vai investigar as relações do empresário do jogo do bicho Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Tatto disse que a apuração pode atingir a políticos de todos os partidos, inclusive o PT. Os líderes na Câmara definiram o prazo de 20 horas desta terça como final para a coleta de assinaturas. São necessárias 171 assinaturas de deputados e 27 de senadores para instalar a comissão. Após a coleta, caberá à presidência do Senado convocar uma sessão do Congresso para a leitura do requerimento.

Tatto atribuiu à oposição as notícias de que o PT tentaria abafar as investigações. "A oposição fala muita bobagem e não merece credibilidade". O petista garantiu que não haverá proteção a correligionários que estejam envolvidos no esquema desvendado pela Polícia Federal. "Não há assunto proibido. Se tiver político do PSDB, parece que tem o governador de Goiás, Marconi Perillo; se tiver do DEM, parece que tem o senador Demóstenes Torres; e se tiver do PT dentro das operações Vegas e Monte Carlo, tem de ser apurado também", disse Tatto.

O líder petista ressaltou que a máxima vale também para agentes privados, como "empreiteiras, construtoras e imprensa". "Vale para todos, era só o que faltava a imprensa também estar envolvida com este submundo. Não há assunto proibido". Segundo Tatto, mais de 60 dos 85 deputados do partido já assinaram o pedido de investigação.

No PMDB, o ritmo de coleta de assinaturas é mais lento. O líder do partido, Henrique Alves (RN), diz que a intenção era recolher o apoio de todos em um jantar na noite desta terça-feira. Mas, diante da fixação do prazo para a entrega, ele está correndo atrás dos colegas. Alves acredita que entre 50 e 60 peemedebistas devem rubricar o requerimento.

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), disse não ver dificuldade para a criação da CPI. "Vai ser a CPI com o maior número de assinaturas da história". Ele destacou que, após a entrega do requerimento, a responsabilidade de convocar o Congresso cabe ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Como está hospitalizado, ele poderá repassar a tarefa à primeira vice-presidente da Câmara, Rose de Freitas (PMDB-ES).

Tudo o que sabemos sobre:
Carlinhos CachoeiraCPI do Cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.