Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

'Não há arrependimento', diz deputado que arrancou cartaz sobre racismo

Coronel Tadeu (PSL-SP) disse que a medida foi correta e quem foi atacada foi a Polícia Militar

Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2019 | 09h47

BRASÍLIA - “Não há arrependimento. Quem foi atacada foi a Polícia Militar”, afirma o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) que entrou no centro do debate político nesta terça-feira, 19, ao arrancar um cartaz em um exposição sobre o racismo na Câmara.  

Na imagem, um policial de arma na mão e um rapaz negro estendido no chão, com a camisa do Brasil e algemado. No cartaz, lia-se a frase “O genocídio da população negra”.

O ato do deputado provocou reação imediata de deputados que acusaram o militar de racista. Tadeu se defende elogiando a exposição e negando qualquer tipo de preconceito.

Por que o senhor arrancou o cartaz?

A exposição é maravilhosa, sobre racismo. Sou favorável à pauta. Mas, no meio de tanto cartaz bonito, você vê uma agressão como essa contra a Polícia Militar? Isso é inaceitável.

O senhor se arrepende de seu ato?

Essa é uma casa de debate e, por ser a casa do debate, você precisa incentivar cada vez mais esse debate. Não me sinto arrependido. Fiz o meu papel eleito por quase 100 mil famílias de policiais do Estado de São Paulo. Só que, no momento em que venho para a Câmara dos Deputados, eu deixo de representar os policiais e passo a representar toda a sociedade. Eu não poderia admitir uma agressão daquela altura. Quem sabe que a forma não foi tão acertada, mas a medida foi correta. Não há arrependimento. Quem foi atacada foi a Polícia Militar. 

O senhor fala em contraponto, mas já havia um ofício da Frente de Segurança Pública pedindo a retirada do material. O senhor não acha que ultrapassou o limite?

Infelizmente, eu não sabia que havia o ofício. Se eu soubesse que havia um pedido formal de retirada, eu não teria feito isso. Meu estilo não é de usar esse tipo de atitude.

O senhor está sendo acusado de ter quebrado o decoro parlamentar...

De jeito nenhum. Não ofendi um parlamentar. Não ofendi nenhuma pessoa. Simplesmente eu exerci o meu mandato. Mais do que nunca defender quem precisa ser defendido. E, aqui, estamos tratando de uma agressão e não de uma exposição. Estamos tratando de uma agressão a um determinado público. E isso não pode ser permitido.

O senhor foi acusado de racismo por essa atitude...

Nesse momento as vítimas de racismo foram os polícias que foram acusados de serem os executores, homicidas. A mensagem é imprópria e não deveria estar dentro da Câmara dos Deputados.

A sua atitude hoje ocorre no dia em que está confirmado que a morte da menina Agatha Moreira, de oito anos, no Rio, foi causada por um tiro partido por um policial...

Pergunta ao policial se ele queria matar a menina. Quantas vítimas de bala perdida nós temos. O fato de ser hoje é apenas uma mera coincidência. Aquele projétil não tinha aquele endereço e, infelizmente, ele vitimou uma criança. Polícia não quer matar inocente.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.