Não há acusação política contra Dantas, diz Genro

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou hoje que não há acusação política contra o sócio-fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, por parte da Polícia Federal (PF). "Existe trabalho técnico, escuta telefônica permitida pelo Poder Judiciário e comprovação de tentativa de compra de policiais. Há um trabalho de perícia rigoroso", afirmou o ministro, após participar de evento na Prefeitura de São Paulo.De acordo com Genro, as investigações da PF detectaram "um sistema criminoso que foi instaurado agredindo a estabilidade do sistema financeiro". Dantas é suspeito de cometer, entre outros crimes, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e corrupção ativa, pois teria, por meio de dois emissários, tentado oferecer US$ 1 milhão ao delegado da Polícia Federal (PF) Vitor Hugo Alves Ferreira, a fim de que o seu nome, o de sua irmã, Verônica Dantas, e o do sócio e vice-presidente do banco, Carlos Rodemburg, fossem retirados do inquérito da Operação Satiagraha.Na avaliação do ministro, é natural que um suspeito de ter cometido crimes evoque questões políticas, pois essa é uma estratégia que tenta provocar simpatia em uma parte da opinião pública. "Mas isso é completamente vazio, até porque, segundo informações (divulgadas pela imprensa), o réu principal desse processo disse que tinha relações políticas com todo mundo, com todos os partidos. E essas relações não são necessariamente criminosas. Podem ser e podem não ser. Há relações de empresários com o mundo político, o que é normal no Brasil", disse.Denúncia acolhidaGenro afirmou que a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, de conceder novo habeas-corpus em favor de Daniel Dantas não sinaliza fragilidade das investigações. "Quando se trabalha sobre um habeas-corpus, o que está se verificando é se há condições apropriadas para liberar aquele que está sendo detido", comentou. "O processo continua com normalidade, não há nenhum juízo sobre a eficácia da prova que está muito bem-feita. A denúncia seguramente será acolhida pelo poder Judiciário. A própria Procuradoria da República já se manifestou e haverá seguramente a denúncia que será acolhida pelo poder Judiciário."De acordo com ele, "é normal a diferença de concepção entre a primeira instância (do Judiciário) e o STF" relativa às decisões do juiz titular da 6ª Vara Federal Criminal, Fausto Martin De Sanctis, que pediu a prisão de Daniel Dantas por duas vezes, mas que foram revogadas por habeas-corpus concedidos por Mendes. "A legislação processual dá possibilidade de interpretações diferentes a respeito do alcance da prisão preventiva e provisória. O Ministério da Justiça não pode se manifestar sobre o contencioso técnico envolvendo o Ministério Público e Poder Judiciário e a primeira instância (da Justiça) e o STF."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.