''Não falei demais'', diz Mendes em balanço do ano

Depois de um ano marcado por polêmicas com a cúpula da Polícia Federal, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse ontem que a ação da Corte e suas declarações serviram para reduzir as ações tidas como espetaculares e midiáticas da PF. "Tenho a impressão de que isso mudou e eu não recuso os méritos", afirmou.   Confira as sessões polêmicas que passaram pelo SupremoDesde que assumiu o mandato, em abril, Mendes fez críticas à exposição de presos à imprensa, ao uso indiscriminado de algemas, à suposta banalização do uso de grampos telefônicos e até ao uso, pelo Judiciário, dos nomes dados pela Polícia Federal às suas operações. Por conta desse discurso, recebeu críticas, inclusive no meio jurídico. "Não falei demais. Talvez tenha havido muitas condições para eu me pronunciasse", afirmou. Mendes celebrou as estatísticas do STF que indicam que a reforma do Judiciário, de 2003, deu certo. Em um ano, o número de processos distribuídos aos ministros caiu 41,7%.A principal razão é a chamada repercussão geral, uma espécie de filtro criado pela reforma para que os ministros priorizem temas considerados relevantes e barrem a chegada de ações que tratem de temas que poderiam ser solucionados nas instâncias inferiores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.