Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação
Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação

'Não existe grande alternativa política', diz assessor de Dilma

Marco Aurélio Garcia afirmou que o presidencialismo de coalizão 'não vai longe'; Dilma está em Paris para a Conferência do Clima

Andrei Netto, Correspondente, O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2015 | 15h10

PARIS - Em meio à crise política em Brasília, o assessor especial da presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, afirmou neste sábado, 28, em Paris, que "não existe grande alternativa política no Brasil". Questionado pelo Estado, o assessor da presidente Dilma Rousseff disse que o sistema político brasileiro, baseado no presidencialismo de coalizão, "não vai longe". 

Garcia afirmou que o momento político do país é de "crise política forte", que "afeta todos os partidos", inclusive o Partidos Trabalhadores (PT). Foi então que o assessor avaliou: "Não há uma grande alternativa política no Brasil".

O assessor é um dos mais longevos quadros do PT nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que passou a integrar desde a posse de 2003. Indagado pelo Estado sobre se o momento da crise política, com a prisão do senador Delcídio do Amaral, líder do PT no Senado, é o pior em mais de 12 anos de poder, o assessor respondeu que considera o presidencialismo de coalizão com os dias contatos.

"O sistema político do Brasil como um todo está afetado. O problema é saber como nós vamos superar os problemas políticos estruturais", argumentou Garcia. "Você acha que o presidencialismo de coalizão com o qual trabalhamos há algum tempo vai longe? É lógico que não vai."

Garcia criticou ainda a organização do sistema partidário no Brasil. "Eu sou a favor da multiplicidade de partidos, mas eu sou contra as razões que levam à multiplicidade de partidos", afirmou. "Quais são os partidos que têm identidade efetivamente? Poucos."

O assessor integra a comitiva do Brasil que participará da abertura da 21ª Conferência do Clima (COP 21) das Nações Unidas. Dilma Rousseff chegou ao hotel e ingressou pela garagem, sem falar com os jornalistas. 

A delegação chegou dois dias antes do evento, quando ainda não tinha compromissos previstos na agenda oficial. No final da tarde, a presidência informou que quatro reuniões bilaterais foram marcadas para o domingo, com a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, com os presidentes do Equador, Rafael Correa, e da Bolívia, Evo Morales, e com o representante da Comunidade do Caribe (Caricom).

Uma reunião com negociadores brasileiros da COP 21 também será realizada na embaixada do Brasil em Paris. Segundo Garcia, o discurso da presidente para a abertura da Conferência do Clima, na segunda-feira, já está redigido. Questionado pelo Estado se a presidente pedirá um acordo internacional legalmente vinculante (obrigatório), Garcia disse que o discurso não entra no assunto. "Ela não entra no detalhe sobre a obrigatoriedade do acordo, porque isso não está fechado. Essas coisas se resolvem de outra maneira", argumentou, referindo-se às negociações.

Embora tenha chegado mais cedo a Paris, a presidente reduziu a viagem internacional. Visitas programas para o Japão e o Vietnã para o início da semana foram canceladas - a Tóquio pela segunda vez. Sobre o cancelamento, Garcia reconheceu o inconveniente. "É chato, eles vão ficar chateados, mas saberão entender", disse Garcia, antecipando que a presidente pretende encontrar o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, em Paris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.