Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Não existe força relevante que possa apostar no sentido contrário à democracia, diz Jungmann

Ministro da Segurança Pública voltou a defender declarações do general Villas Bôas

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 14h18

BRASÍLIA - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, voltou a defender nesta quinta-feira as declarações do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas. Na avaliação dele, não houve qualquer intenção do comandante de fazer menção a um possível "atalho no processo democrático". Jungmann defendeu ainda que "não existe" hoje "nenhuma força relevante que possa estar apostando no sentido contrário à democracia."

Na noite de terça-feira, às vésperas do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Villas Bôas disse em suas redes sociais que repudia a "impunidade" e que o Exército "está atento às suas missões institucionais".

+++Jungmann diz que chance de golpe militar é de 'menos um'

"Eu repito, não houve qualquer pressão do general ou menção sobre atalho no processo democrático. A gente vai junto com todos brasileiros decidir com muita alegria qual será o futuro do Brasil em outubro porque isso ninguém vai tomar dos brasileiros e brasileiras, a democracia é algo consolidado e irreversível", afirmou.

"Muitas vezes a gente vive ansiedades, dificuldades, tropeços, mas a caminhada da democracia do Brasil ninguém vai obstar até porque não existe nenhuma força relevante, importante, hoje que possa estar apostando no sentido contrário", complementou.

+++'~Declarações fogem do esquadro constitucional', diz Ayres Britto sobre comentários do general

Jungmann também argumentou que "mesmo aqueles com posições extremadas ou extremistas não estão negando o processo eleitoral". "(Eleição) é o caminho correto para cuidar dos males do Brasil, portanto, eu então quero dizer para os brasileiros colocarem em dia seu título de eleitor porque vamos votar em outubro", assegurou.

Ao final, o ministro também minimizou o fato do presidente Michel Temer ainda não ter se pronunciado sobre as declarações de Villas Bôas, ainda que a repercussão tenha sido negativa. "Villas Bôas é um soldado exemplar, um líder respeitado e um democrata, reúne virtudes muito republicanas. Não vejo por que Temer tenha que se pronunciar sobre a fala, um tweet do comandante do Exército", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.