'Não estou aqui para factóide', diz presidente de CPI

A presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Cartões Corporativos, Marisa Serrano (PSDB-MS), se revoltou ao ouvir o deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL) afirmar que a CPI será uma comissão "da tapioca, do bichinho de pelúcia, da miudeza". "Eu não admito que falem aqui que estamos brincando. Estou ouvindo isso há uma semana e não estou aqui para factóide. Se o governo acha que não temos legitimidade para investigar, sou obrigada a concordar com o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) de que é melhor parar com farsa", disse ela, durante depoimento do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.Dias vêm insistindo que a CPI não chegará a lugar algum sem quebra de sigilo de possíveis investigados. Desde ontem, no primeiro dia de depoimentos, a oposição praticamente desertou e os governistas resistem a qualquer tentativa de quebra de sigilo. Em seu depoimento, o ministro está sendo acompanhado por apenas cinco parlamentares. A CPI é composta por 24 senadores e deputados. O depoimento de Bernardo começou com apenas seis deputados e nenhum senador presente, além da própria presidente da comissão. Pela manhã, Marisa Serrano ameaçou entregar o cargo se, na próxima semana, não forem aprovados requerimentos de quebra de sigilos.

ANA PAULA SCINOCCA, Agencia Estado

19 de março de 2008 | 16h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.