ANDRE DUSEK / ESTADÃO
ANDRE DUSEK / ESTADÃO

'Não estamos colocando rótulo de culpada ou inocente', diz Hélio José

Senador do PMDB-DF diz que argumentos de ambos os lados gerou 'complexo debate'; para parlamentar, há 'indícios' de crime de responsabilidade

Luísa Martins e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2016 | 22h48

BRASÍLIA - O senador Hélio José (PMDB-DF) anunciou que irá votar pela admissibilidade do processo de impeachment, mas em seu discurso frisou que, durante a tramitação do processo no Senado, as teses ouvidas lhe geraram muitas dúvidas. "Pensei que ao final, após apreciar todos os argumentos, poderia proferir meu voto com tranquilidade. Ledo engano. Me encontrei diante de um complexo debate", afirmou.

Ele disse que "os compromissos da vida democrática devem prevalecer sobre as preferências pessoais" e que as questões "devem ser analisadas com cautela em função dos desdobramentos que podem causar na vida política e no futuro da nação".

Tecendo elogios tanto à acusação quanto à defesa, afirmou que vai votar pela admissibilidade porque há "indícios" de crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma Rousseff. "Não estamos colocando em sua testa um rótulo de culpada ou inocente, pois esta não é a fase de julgar o mérito", destacou.

Segundo o peemedebista, a decisão pela admissibilidade deveria ser um "consenso" entre todos os senadores. Ele afirmou que, caso assuma a presidência, Michel Temer (PMDB-SP) tem a tarefa de "recolocar a economia nos trilhos". "Ele garantiu a mim que as conquistas sociais das últimas décadas serão preservadas e até ampliadas", afirmou, desejando a Temer "serenidade, equilíbrio e determinação, visando o desenvolvimento econômico e social".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.