Não é prioridade, protesta líder

Para o líder da minoria na Assembléia Legislativa, Paulo Guedes (PT), a construção do Centro Administrativo atropela necessidades mais urgentes de investimentos. "É uma obra mais para aparecer, eu diria faraônica", afirmou ele, cobrando mais aportes para educação, saúde, infra-estrutura e combate à seca no norte mineiro e no Vale do Jequitinhonha. O coordenador do Sindicato dos Servidores Públicos de Minas Gerais (Sindpúblicos) e diretor do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde (Sind-Saúde), Renato Barros, reforça a crítica. "Não vemos isso como uma prioridade do governo, que deveria estar priorizando investimentos em saúde, educação, meio ambiente", disse. Em tom irônico, diz que o "Planaltinho", alusão ao Palácio do Planalto, é um empreendimento que pode ter prioridade, "mas só para o governo". Já o coordenador político do Sindpúblicos, Geraldo Antônio Henrique da Conceição, cobra do Executivo um programa de valorização salarial do funcionalismo, mas vê a obra como benéfica. "Concentrar a maioria do serviço público numa região só, isso é bom tanto para o servidor, quanto para a sociedade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.