AP
AP

'Não é oficial', afirma Dilma sobre documento que sugere 'caos político'

Presidente diz que texto elaborado pela Secretaria de Comunicação não foi debatido pelo governo

Ricardo Della Colletta e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

19 de março de 2015 | 12h28

Brasília - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira, 19, não reconhecer o documento elaborado pela Secretaria de Comunicação da Presidência em que o governo admite haver "caos político" no País e uma "comunicação errática" por parte Palácio do Planalto em meio à crise. "Não é um documento oficial, não foi discutido no governo. Não reconheço como tal", afirmou Dilma. 

O conteúdo do texto foi revelado com exclusividade pelo portal estadao.com.br, nessa terça-feira, 17. O documento afirma ainda que os apoiadores do governo estão levando uma “goleada” e “perdendo de W.O” para a oposição nas redes sociais e recomenda o investimento maciço em publicidade oficial em São Paulo, cidade administrada por Fernando Haddad (PT). 


A secretaria é comandada pelo ministro Thomas Traumann, que nessa quarta tirou seis dias de férias. A ausência, segundo o órgão, já estava previamente combinada com a presidente e foi motivada por problemas de saúde familiares.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) afirmou que vai apresentar requerimento para convocar Traumann para dar explicações sobre o teor do documento. Ele destacou o trecho em que se lê que "a guerrilha política precisa de munição vinda de dentro do governo, mas ser disparada por soldados fora dele".

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.