Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Não é necessário esforço para convencer população sobre mudança, diz Campos

Em evento na capital paulista, governador de Pernambuco mencionou 'esgotamento' da polarização PT-PSDB e falou da necessidade de avançar em áreas não alcançadas pelos dois partidos

ISADORA PERON E CARLA ARAÚJO, Agência Estado

28 de novembro de 2013 | 15h33

São Paulo - Ao apresentar nesta quinta-feira, 28, o documento que irá pautar a discussão do programa de governo PSB-Rede para 2014, o governador e provável candidato à Presidência, Eduardo Campos, apostou no discurso de renovação política e disse que "não é necessário muito esforço para convencer a população da necessidade de mudança"

Citando pesquisa Ibope/Estadão divulgada em outubro, Campos afirmou que a população espera mudanças e colocou o seu nome, junto com o da ex-ministra Marina Silva, como uma terceira via. "Há um certo esgotamento dessa polarização (entre PT e PSDB)".

De acordo com o levantamento de outubro, Dilma Rousseff poderia vencer as eleições no 1º turno. No cenário com Aécio e Campos, a petista chega a 41% das intenções de voto, contra 18% do tucano e 10% do governador de Pernambuco. A situação muda com a inclusão de Marina nas simulações, que aparece com 21% dos votos no cenário com Dilma e Aécio.

A possibilidade técnica de 2º turno, porém, só ocorreria quando o cenário inclui a ex-ministra do Meio Ambiente no lugar do governador de Pernambuco e o ex-governador tucano José Serra no lugar do senador mineiro. Em uma eventual segunda rodada da disputa, Dilma venceria com folga Marina, Campos, Aécio e Serra, aponta o Ibope.

Outras Frentes. Campos também disse que, mais do que reconhecer que o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) trouxe estabilidade econômica e que o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o responsável pelos avanços na área social, é preciso avançar em outras frentes.

"Esses dois pilares foram importantes, mas eles hoje são insuficientes para melhorar a qualidade de vida do povo brasileiro. É preciso ir adiante", afirmou.

Campos e Marina lançaram nesta quinta em São Paulo um site chamado "Mudando o Brasil", no qual as pessoas poderão colaborar com o programa de governo. A ideia é recolher sugestões até o final de janeiro. O cronograma dos dois grupos também inclui cinco encontros regionais, que serão realizados entre fevereiro e abril. A ideia é que o programa de governo esteja pronto antes do início da campanha eleitoral, em maio do ano que vem.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo CamposMarina Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.