Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Não é hora de paixão e de política. É hora de ciência e cuidado', diz Arthur Lira sobre vacinas

Candidato apoiado pelo Planalto à presidência da Câmara pediu agilidade na aprovação dos imunizantes

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2020 | 10h58

BRASÍLIA - Enquanto o governo prepara uma medida provisória para abrir crédito de R$ 20 bilhões para compra de vacinas contra a covid-19, o líder do Centrão e candidato do Palácio do Planalto para a presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), pediu hoje agilidade na aprovação dos imunizantes.



“Vivemos o maior desafio global em muitas décadas. O mundo desenvolveu vacinas em apenas 11 meses. Essa velocidade precisa ser replicada nas análises de aprovação - que precisam ser feitas com ciência e boa técnica. E a partir da aprovação, chegar com planejamento e eficiência para a população”, afirmou Lira, em seu perfil no Twitter.

Em meio à disputa entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, sobre o protagonismo na vacinação da população, o parlamentar avaliou que não é hora de se fazer briga política sobre a vacina. “Não é hora de paixão e de política. É hora de ciência e cuidado”, acrescentou Lira.

Em entrevista exclusiva ao Estadão publicada neste sábado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), avaliou que o maior erro político cometido pelo governo federal até agora foi não se preparar para comprar a vacina contra o novo coronavírus. Segundo ele, a lentidão em se elaborar um programa claro de vacinação em massa pode custar até mesmo a reeleição de Bolsonaro em 2022.

Maia criticou ainda a estratégia do Planalto em angariar votos para Arthur Lira na sucessão na Câmara. Para o atual presidente da Casa, o governo teria criado um “balcão de negócios” para eleger o líder do Centrão. Maia também relatou críticas do próprio Lira ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

O deputado contou ter ouvido o rival Arthur Lira  chamar Guedes de “vendedor de redes” – alguém que fala muito, mas entrega pouco. 

Apoio. Em reunião na noite de sexta-feira, o diretório nacional do PSB decidiu vetar o apoio do partido à candidatura de Arthur Lira à presidência da Câmara. “Recomendamos não apreciar a candidatura de nenhum candidato ligado a Bolsonaro”, disse o presidente do partido, Carlos Siqueira, ao Estadão/Broadcast Político.

A Executiva nacional do PT, por sua vez, decidiu que vai tentar construir um bloco de esquerda na Câmara para que os partidos se posicionem em conjunto na escolha do candidato à presidência da Casa. O partido não chegou ao consenso sobre apoiar Lira, um nome ligado a Maia ou lançar candidato próprio.

A proposta, que será encaminhada a PSB, PDT, PCdoB, PSOL e Rede, se baseia em dois pontos: compromisso do candidato com uma agenda mínima da oposição e garantia da aplicação do critério da proporcionalidade na composição das comissões e da Mesa Diretora. 

O PT tem a maior bancada da Câmara, mas ficou fora dos principais cargos por se recusar a apoiar Maia em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.