"Não é da minha trajetória ser pau mandado", diz Serra

O prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), um dos potenciais candidatos do PSDB à Presidência da República, disse, ao participar de evento no Teatro Municipal, durante a comemoração dos 452 anos de fundação da capital paulista, que tem sido criticado por possuir idéias próprias. "Às vezes, fazem críticas a mim, dizendo: ´O Serra tem idéias próprias.´ Acho engraçado, mas não é algo que me incomode", afirmou, em entrevista coletiva.Ele não quis, entretanto, detalhar quem o criticaria por este tipo de atitude, mas ressalvou que nunca ouviu esta crítica partindo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Serra aproveitou para dizer que não sabia se não chegaria à Presidência da República, exatamente pelo fato de "não ser pau mandado", como disse o ex-ministro-chefe da Casa Civil e ex-deputado federal José Dirceu. "Não sei se, por isso, não seria (presidente), mas, efetivamente, não é compatível com a minha trajetória ser pau mandado", declarou.Ao apresentar um projeto orçado em R$ 7,5 milhões para a construção da Praça das Artes, no centro da cidade, Serra voltou a criticar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o prefeito, Lula "prestou verdadeiro desserviço à educação, ao dizer ser contrário aos concursos públicos" para o preenchimento de vagas na administração pública. "É um mito que as pessoas não querem se informar", acrescentou, ao anunciar que pretende construir salas de leitura na bairro de Cidade Tiradentes, periferia da cidade.Além do evento no Teatro Municipal, o prefeito paulistano participou junto com o governador paulista, Geraldo Alckmin, este já pré-candidato à Presidência pelo PSDB, também de outros dois eventos de comemoração do aniversário da cidade. Assistiram a uma missa na Catedral da Sé e, depois, de um ato cívico no Pátio do Colégio. Assim como Alckmin, o prefeito também tratou de elogiar publicamente o governador, tentando demonstrar que entre ambos não há atritos, apesar de disputarem a indicação do PSDB à Presidência. "O governador Alckmin tem sido um parceiro da cidade, um grande homem público, um governador muito (bem) avaliado e é meu amigo pessoal", afirmou.Na entrevista coletiva que concedeu, Serra quase cometeu um ato falho, ao ser indagado, se estaria nas comemorações da cidade nos próximos anos na condição de prefeito. "Sem dúvida, vou estar sempre presente no Pátio do Colégio (nas comemorações do aniversário de São Paulo)", respondeu. Mas, insistiram os jornalistas, como prefeito? "Vocês não vão achar ruim, mas aqui encerramos, está bom?", esquivou-se o prefeito. Ele deixou a região central para participar de outras atividades em outras regiões da cidade.

Agencia Estado,

25 de janeiro de 2006 | 15h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.