Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Não diga ‘alô’, diga ‘alô, Temer’, diz presidente nas redes sociais

Após ser surpreendido por repórter ao telefone, peemedebista faz brincadeira mas muda número

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2017 | 05h00

BRASÍLIA - Após ter o número de seu telefone celular tornado público na imprensa, o presidente Michel Temer adotou posturas antagônicas: mudou o número do aparelho e, nas redes sociais, brincou sobre o assunto. Temer publicou trechos de sua conversa que teve nesta segunda-feira, 16, com um repórter do jornal O Globo com os dizeres: “Quando atender ao telefone, não diga ‘alô’. Diga ‘alô, Temer’. #FaleComOPresidente”. O texto é ilustrado por um vídeo que mostra parte do diálogo em que o presidente foi surpreendido pelo repórter ao telefone.

Apesar da brincadeira e da hashtag #FaleComOPresidente, a assessoria do Planalto confirmou que o presidente já mudou o número de sua linha.

O número do celular de Temer constava de um dos documentos divulgados no site da Câmara dos Deputados desde 29 de setembro, mas só descoberto nesta segunda-feira pela imprensa. No material também estavam vídeos com o depoimento do operador Lúcio Funaro em colaboração premiada.

Ao citar Temer diretamente, as declarações de Funaro causaram constrangimento ao presidente a dias da votação do parecer sobre a segunda denúncia, por obstrução da Justiça e organização criminosa, da qual é alvo na Comissão de Constituição e Justiça.

A divulgação dos vídeos resultou em um bate-boca público entre o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o advogado de Temer, Eduardo Carnelós, no fim de semana. Também motivou o presidente a enviar uma carta aos deputados na qual afirmou que “jamais poderia acreditar que houvesse uma conspiração para me derrubar da Presidência da República”.

De acordo com interlocutores do Planalto, a carta teve como alvo também o Supremo Tribunal Federal, responsável por enviar o material, que estaria sob sigilo, para a Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.