Ryan Brown/United Nations
Ryan Brown/United Nations

'Não deixem que decidam por vocês', diz número 2 da ONU a jovens

Amina Mohammed defendeu a participação dos jovens para o cumprimento dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2019 | 10h49

Menos de um mês após a greve global do clima, que mobilizou milhões de pessoas em 130 países, a número 2 da Organização das Nações Unidas (ONU), Amina Mohammed, defendeu que os jovens devem continuar engajados e ativos ao redor do mundo para que os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) sejam atingidos até 2030.

“O futuro precisa ser definido por vocês. Não deixem que decidam por vocês. E os objetivos de desenvolvimento sustentável são um mapa”, afirmou em entrevista a jornalistas que participaram de um programa de capacitação na ONU. A Agenda 2030 tem como objetivo fornecer caminhos para a promoção do desenvolvimento sustentável, da proteção do planeta e da erradicação da pobreza.

Amina Mohammed, que ocupa o cargo de vice-secretária-geral desde 2017, destacou a importância de os jovens participarem da Organização e auxiliarem na pressão por soluções, como têm feito na questão das mudanças climáticas. Em setembro, o Estado mostrou que cerca de mil jovens se reuniram na sede da ONU antes da Cúpula do Clima para pressionar políticos a adotarem ações imediatas para reduzir as consequências das mudanças climáticas. Eles também pediram mais participação na tomada de decisão e na política. 

No final da Cúpula do Clima, 77 países se comprometeram a ter emissões líquidas zero (em que plantio de árvores ou tecnologias consigam absorver carbono excedente da atmosfera) até 2050, e 70 países anunciaram que vão aumentar suas NDCs (contribuições nacionalmente determinadas - as metas do Acordo de Paris, no jargão da ONU) em 2020, como Índia e China. Vários também se comprometeram com mais dinheiro para as finanças climáticas e cem líderes do setor privado se comprometeram em acelerar seu movimento para a economia verde.

Para Entender

'Estadão' por dentro da ONU

Conheça os bastidores do complexo das Nações Unidas, em Nova York

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
“Vocês têm um enorme potencial com a tecnologia, têm toda a vida à frente e têm planos. Além disso, vocês têm a ONU. E a ONU pertence a vocês, é o que vocês fazem dela, e não o que ela faz de vocês”. 
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Amina Mohammed

Diálogo

Questionada sobre as críticas de que a instituição “apenas fala”, respondeu que a ONU não pode nunca abandonar o diálogo. “É algo em que devemos colocar mais valor, e algumas pessoas não o fazem”, afirmou ela. “Muitas vezes os jovens querem apertar um botão e irem automaticamente para o topo. Mas a vida é uma jornada. O que faremos, em cada degrau, para chegar até o final, é importante”.

Amina Mohammed afirmou ainda que é preciso ter mais pragmatismo com relação às expectativas de resolução de conflitos. “Existe uma realidade e uma aspiração. Às vezes, há uma pequena lacuna entre elas e, às vezes, uma lacuna muito grande. Nosso trabalho aqui é continuar a dialogar até fecharmos essa lacuna, vendendo aquela mercadoria que eu chamo de esperança.” 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.