Agência Estado
Agência Estado

Não concordo em demonizar Sarney, defende Dilma

Para ministra, denúncia sobre casa deve ser apurada, mas Sarney não pode ser responsabilizado por toda a crise

Leonencio Nossa, da Agência Estado, e Lu Aiko Otta, de O Estado de S. Paulo,

03 de julho de 2009 | 13h42

Ao comentar notícia de que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) não declarou à Justiça Eleitoral a casa onde mora, em Brasília, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, defendeu a apuração do fato, mas ponderou que não se pode "demonizar" ninguém. "Acho que nada deve ser ocultado. O governo não defende ocultação de nada", afirmou. "Por outro lado, não concordo em demonizar o presidente Sarney e responsabilizá-lo por toda a crise", ressaltou.

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

Em uma longa entrevista no Centro Cultural Banco do Brasil, sede provisória da Presidência, Dilma ressaltou que é preciso avaliar que irregularidades do Senado ocorrem há mais de 15 anos. Ela disse que boa parte das contratações, que teriam ocorrido de forma secreta e de emissão de passagens aéreas para familiares dos senadores foram de responsabilidade da primeira secretaria do Senado, ocupada pelo partido da oposição, DEM. "Estranhamente o DEM, agora, pede o afastamento do presidente Sarney", afirmou Dilma.

 

Na entrevista, a ministra fez questão de defender a transparência no Poder Público. "Eu sou inteiramente a favor de toda transparência no Senado e da apuração das responsabilidades. Também, sou a favor que se garanta que o Senado se aperfeiçoe", afirmou. Dilma voltou a pedir "cautela" de aliados e oposicionistas nessa crise. "Aí tem uma prática que não está correta, que é aquela de achar que jogar uma pessoa aos leões é o caminho para solucionar questões éticas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.