ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

Não concordo com tudo, mas respeito Stédile, diz Dilma

Após ouvir do líder do MST críticas à política econômica em cerimônia oficial, presidente diz que seu papel é olhar os diversos setores da sociedade

O Estado de S. Paulo

20 de março de 2015 | 14h44

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff voltou a usar um evento público nesta sexta-feira para defender o ajuste fiscal do governo e reforçar que o momento é "passageiro". Pouco antes do discurso de Dilma na 12ª Abertura da Colheita do Arroz Ecológico, em Eldorado do Sul, região metropolitana de Porto Alegre (RS), o principal líder do MST, João Pedro Stédile usou sua fala para criticar o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e algumas medidas tomadas por ele. "Não concordo com tudo que o Stédile falou, mas respeito a luta dele", afirmou a presidente. "Conquistamos um estágio de democracia em que ninguém precisa concordar em tudo", disse.

Após o evento, Dilma disse que "Stédile tem a concepção dele e eu tenho a minha". O líder do MST criticou duramente o modelo de agronegócio e disse que a presidente foi "enganada" ao ser levada para ver a colheita de soja no ano passado, pois não disseram a ela que o Brasil é um grande "exportador de veneno" graças ao agronegócio. "A concepção do movimento é uma e a do governo é outra", disse. "Nós olhamos vários setores e olhamos também o agronegócio", afirmou.

No discurso, Dilma disse que o governo está disposto a dialogar com todos os segmentos da sociedade para conseguir sair da crise. "Queremos diálogo e sugestões, só assim se aperfeiçoa. Quando se dialoga tem de tratar o outro como igual, nem melhor nem pior", afirmou.


Stédile também afirmou que os ministros da presidente Dilma deveriam ser mais humildes e que nenhum deles devem se sentir "superior ao povo". Em seu discurso, Dilma disse que todos no governo estão dispostos a dialogar e que "dialogar é necessariamente com uma posição de humildade".

Durante a cerimônia, o prefeito de Eldorado do Sul, Sergio Munhoz (PSB), destacou a crise econômica e política vivida atualmente no País e disse que a "sociedade está cada vez mais exigente" e os municípios com "menos recursos". "Precisamos enfrentar essa crise financeira e política para o Brasil voltar a crescer", afirmou.

Dilma participou também em Eldorado do Sul da inauguração da unidade de secagem e armazenagem de arroz da Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre (Cootap). Segundo informações do governo, a unidade teve financiamento de R$ 3,4 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio do programa Terra Forte do Incra.

Também foi financiado para a cooperativa R$ 1,3 milhão para aquisição de máquinas e mais R$ 1,4 milhão para recondicionamento do complexo de irrigação do canal de Águas Claras, no município de Viamão, totalizando R$ 6,1 milhões investidos.

De acordo com a agenda da presidente, após o evento ela retorna para Brasília.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.