Beto Barata/PR
Beto Barata/PR

'Não admitimos um brasileiro contra o outro', diz Temer

Presidente exaltou estabilidade econômica e foi aplaudido em cerimônia de inauguração de um abatedouro de peixes, no Paraná; na próxima semana, Câmara votará denúncia

Caio Rinaldi, Marcelo Osakabe e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2017 | 19h48

PALOTINA - O presidente Michel Temer (PMDB) disse nesta sexta-feira, 20, que o País passa por um momento em que os brasileiros devem trabalhar juntos. "Este conceito de cooperativa serve muito a nós, é muito forte para o nosso País. É o que precisamos, brasileiro cooperar com brasileiro. Não admitimos um brasileiro contra o outro. A sensação é que o Brasil quer isto, quer cooperar", disse o presidente em cerimônia para inauguração de um abatedouro de peixes em Palotina, no Paraná.

+++ Base aliada já espera queda de apoio a Temer no plenário da Câmara

Temer falou sobre a queda da inflação e dos juros a "patamares suportáveis", além da retomada do emprego nos últimos seis meses. "Hoje, examinando esta multidão de entusiastas da C.Vale, entusiasmados pela atividade que desenvolvem, entusiasmados com o Brasil, volto para Brasília dizendo que o Brasil definitivamente voltou", disse o presidente.

+++ 'Nunca soube que Geddel era o chefe. Para mim, o chefe dele era outro', diz Renan

Na próxima semana, a Câmara dos Deputados vai votar a acusação feita pela Procuradoria-Geral da República contra o Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. O discurso sobre a estabilidade econômica foi usado por deputados na hora de darem seu voto a favor do governo durante a primeira denúncia e deve servir como uma das justificativas da base aliada para rejeitar também a segunda acusação. Dessa vez, o presidente é acusado por organização criminosa, junto dos ministros, e obstrução de Justiça.

+++ Mais oito ministros são exonerados para apoiar Temer na denúncia

Aplaudido pelas cerca de duas mil pessoas que estavam no evento, o presidente disse acreditar que reação do público é um sinal de que o País está no caminho certo. "Ao longo do tempo, nós, da vida pública, nos acostumamos a detectar e analisar os aplausos. Em certas solenidades, o aplauso é cerimonioso, em outras protocolar, em outras há alguém que puxa a palma", apontou. "Aqui não, o aplauso é verdadeiro porque vem do coração."

+++ Veja quem quer ser presidente em 2018

Temer também fez elogios ao agronegócio para a sustentação do PIB em 2017. "Não fosse a atuação do agronegócio, estaríamos numa situação muito negativa. Isso se deve ao trabalho dos senhores, ao trabalho que se faz no campo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.