´Não acredito que o PFL seja democrático´, ironizou Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva arrancou aplausos de petistas na noite de sexta-feira ao criticar duramente o PFL, um dos principais partidos de oposição e linha de frente dos ataques contra o governo. Ao lado do governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), que venceu o domínio de 16 anos do PFL no Estado, disse que estava quase deixando de ser democrata por causa do partido do senador Antonio Carlos Magalhães (BA). "Eu li que o PFL vai se chamar Partido Democrata. Eu estou quase deixando de ser democrata por causa do PFL", ironizou Lula. Animado com os aplausos, ele prosseguiu nos ataques. "Estou quase dizendo: ´eu não sou mais democrata-socialista´. Mas como sou um socialista democrático, eu vou continuar sendo democrático, porque não acredito que o PFL seja democrático", provocou. Ao citar a lista de partidos aliados, do PSB ao PMDB, Lula disse que os integrantes da coalizão não podem abrir mão "da bandeira da democracia". "Democracia é mais complicado, mas é melhor", afirmou. Para Lula, o atual cenário político faz com que o novo presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), não precise "falar tão grosso" como antigamente. "Mas, pelo amor de Deus, aprovem as coisas que o governo precisa!", pediu, dirigindo-se a Chinaglia. Fiscalizador O líder do PFL na Câmara, Onyx Lorenzoni (RS), reagiu à afirmação de Lula, de que seu partido não é democrático. "O PFL tem um papel muito importante na atual fase da democracia brasileira, principalmente o de impedir que o presidente Lula, que não é democrata, acompanhe seu colega da Venezuela, Hugo Chávez, e queira fazer um governo chavista, autoritário aqui". Para Onyx, é por ter a preocupação com o papel fiscalizador do PFL que o presidente Lula é incapaz de esquecer o partido. "Ninguém é mais democrático do que o PFL, ninguém fiscalizará o governo mais do que o PFL". Onyx disse ainda que, como presidente, Lula deveria ter mais o que fazer do que ficar preocupado com os caminhos que o PFL vem traçando. Com João Domingos Este texto foi ampliado às 14h33.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.