REUTERS/Ueslei Marcelino
REUTERS/Ueslei Marcelino

'Não acredito em debandada do PSDB', diz Tasso

'O partido ficou unido, todos se comprometeram a seguir a orientação', disse o presidente interino do partido

Isabela Bonfim e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2017 | 10h56

O presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati (CE), disse não acreditar que a decisão da comissão executiva do partido de permanecer no governo Temer possa gerar uma debandada de parlamentares. 

"O partido ficou unido, todos se comprometeram a seguir a orientação. Não acredito em debandada, a decisão foi ponderada. Nenhum deputado durante a reunião falou de sair do partido", afirmou. De acordo com o senador, o PSDB permanece em monitoramento diário. "Todos os dias vamos observar os acontecimentos", afirmou. 

Tasso afirmou que a convenção nacional do PSDB será antecipada. A data, a ser definida em reunião da executiva na próxima semana, depende dos compromissos do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), presidente licenciado do partido. 

 

Nesta segunda-feira, porém, o presidente interino da sigla reconheceu que há uma incoerência no fato de o partido ter decidido, ao mesmo tempo, se manter na base aliada do governo Michel Temer e recorrer contra a absolvição do  peemedebista pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Com certeza existe uma incoerência nisso, mas é a incoerência que a história nos colocou", afirmou em entrevista coletiva após a reunião dos tucanos.

Ele negou que o PSDB tenha decidido permanecer na base aliada do presidente Michel Temer em razão de chantagem do PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.