Naji Nahas deve ser denunciado por evasão

Procuradores e delegados analisam documentos a fim de provar a existência de lavagem de dinheiro

Fausto Macedo e Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

26 Julho 2008 | 00h00

Deve ainda demorar dois dois meses, mas o Ministério Público Federal quer denunciar o investidor Naji Nahas sob as acusações de evasão de divisas e operação de instituição financeira sem autorização do Banco Central. Os procuradores e delegados estão analisando documentos para demonstrar a existência de crimes antecedentes - desvio de recursos, sonegação e corrupção - a fim de provar a existência de lavagem de dinheiro. Outra é concentrar as investigações em dois inquéritos: um para a organização criminosa supostamente chefiada por Daniel Dantas e o outro para o grupo que teria Nahas como figura principal. Apesar do indiciamento de Dantas e de outros 12 acusados feito pelo delegado Protógenes Queiroz por gestão fraudulenta e formação de quadrilha, o procurador Rodrigo de Grandis afirmou ontem que não deve denunciar imediatamente o banqueiro. Grandis quer esperar a análise do material apreendido pela Operação Satiagraha, que provocou a prisão de Dantas, Nahas e do ex-prefeito Celso Pitta - soltos por decisão da Justiça. No caso de Pitta, o objetivo é apurar supostas operações com precatórios da Prefeitura de São Paulo. Uma possível negociação com esses títulos foi detectada em interceptação telefônica. "Tudo o que ele (procurador) tem em mãos são interceptações telefônicas. O MP já tem uma idéia preconcebida do que investiga", afirmou o advogado de Nahas, Sérgio Rosenthal. Segundo Nélio Machado, defensor de Dantas, o inquérito é recheado de frases vazias. "Essa denúncia, se vier agora, só vai revelar afoiteza, açodamento. Se vier depois, vai revelar a mesma predisposição porque o procurador só enxerga de forma negativa tudo o que se possa atribuir ao Opportunity."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.