Na véspera, Simon dizia esperar ''dia da podridão''

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) havia previsto, com antecedência de um dia, o que ocorreria ontem após o discurso de José Sarney (PMDB-AP) no Senado. Em debate no programa Entre Aspas, da Globo News, que foi ao ar na terça-feira, Simon disse, em tom de ironia: "Amanhã será o grande dia, o dia da podridão." "Sarney fará um belo discurso, muito bem preparado, e os senadores o aplaudirão de pé", disse Simon. Ele apontou quem seria o vitorioso, caso o presidente de Senado seja absolvido de todas as acusações a que responde no Conselho de Ética: "O presidente Lula, que colocou seu poder e a força dos cargos na Petrobrás e Banco do Brasil para manter Sarney." Uma referência feita por ele ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, fez com que o ministro ligasse para o programa. Foi uma citação sobre o escândalo da venda de passagens aéreas pela Câmara, na qual Mendes acabou envolvido. Ele acabou se retratando. Também participaram do programa, apresentado por Mônica Waldvogel, o diretor de Conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour, e o cientista político Carlos Melo.

, O Estadao de S.Paulo

06 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.