Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Na véspera de início de CPI sobre universidades, TJ recebe pedido para suspender comissão

Justificativa é de que não havia razões legais para a instauração de CPI contra 'aparelhamento de esquerda' nas universidades públicas paulistas

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2019 | 19h48

Na véspera da instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para intervir nas universidades estaduais paulistas, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) recebeu um pedido para imediata suspensão de seus trabalhos, sob a justificativa de que não foram apresentadas razões legais para a sua criação. 

A instalação da CPI está marcada para quarta-feira, 24, quando deve ocorrer o sorteio dos deputados que irão compor a comissão. A expectativa é de que a sessão seja agitada, já que há a resistência da oposição e protestos de estudantes foram marcados.

O mandado de segurança com pedido de tutela de urgência foi apresentado nesta terça-feira, 23, pela deputada estadual Beth Sahão (PT). A justificativa para o pedido é de que a abertura da CPI não contém requisito previsto na Constituição Estadual e no Regimento Interno da Casa Legislativa, "tornando a criação da comissão manifestamente ilegal". O pedido explica que, para a criação da CPI, não basta a aprovação de um terço dos deputados, mas que seja apontado um "fato determinado a ser investigado", o que não teria ocorrido.

"Lamentavelmente, o requerimento (para abertura da CPI) está muito longe de apontar fatos certos e determinados a serem apurados, muito pelo contrário, o documento é totalmente vago, sem uma única indicação de fato determinado que deva ser apurado na CPI criada, o que torna o ato de criação da comissão flagrantemente ilegal", justifica. 

Conforme noticiou o Estado, a base do governo João Doria (PSDB) abriu a comissão contra o que os deputados definem como "aparelhamento de esquerda" das universidades públicas paulistas e "gastos excessivos" com funcionários e professores. Entre as mudanças que eles querem discutir estão a escolha do reitor e a forma como o Estado repassa recursos às instituições, ambas garantidas hoje pela chamada autonomia universitária.

No entanto, o requerimento de abertura não apresenta, segundo a deputada, justificativas que sustentem as acusações, citando apenas genericamente que a "imprensa rotineiramente veicula notícias com supostas irregularidades" nas universidades.

"O fato apontado pelo requerimento de instauração de CPI é tão genérico e sem qualquer lastro em documentos ou indícios mínimos de improbidade ou falha grave que o poder de investigação atribuído à CPI criada se estende para toda a gestão das universidades estaduais, podendo abarcar desde a contratação de um servidor até a realização de pesquisas científicas, métodos de ensino e de avaliação, contratação de terceiros, comportamento de professores e alunos, enfim, absolutamente tudo", diz o pedido. 

Justifica ainda que o poder legislativo já possui atribuição para fiscalizar o Executivo estadual, nele incluídas as universidades paulistas, sem que necessite de poderes excepcionais de uma CPI. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.